Q. Galvão e Pacific Brasil leva bloco em Pará-Maranhão

O consórcio formado por Queiroz Galvão e Pacific Brasil foi o único a apresentar oferta pelo setor Spama-AP1, na Bacia Pará-Maranhão. O consórcio levou o bloco Pama-265, com bônus de assinatura de R$ 10,067 milhões; e o Pama-337, por R$ 70,4 milhões. Ficaram sem ofertas três blocos. No total, o setor acumulou bônus de R$ 80,47 milhões e tem investimento previsto de R$ 167,34 milhões. Em toda a rodada, o bônus acumulado é de R$ 2,42 bilhões.

FERNANDA NUNES, MÔNICA CIARELLI E SABRINA VALLE, Agencia Estado

14 de maio de 2013 | 16h17

O consórcio formado pela Niko Resources (30%) e pela Petra Energia (70%) foi o único a apresentar oferta pelo setor SPEPB-AP2, na Bacia de Pernambuco-Paraíba. Foram pagos R$ 151,83 mil de bônus de assinatura pelo bloco PEPB-M-621. Não houve oferta para quatro dos cinco blocos localizados no setor.

Tudo o que sabemos sobre:
ANPleilãoBacia Pernambuco-Paraíba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.