FOTO SERGIO CASTRO/ESTAD?O.
FOTO SERGIO CASTRO/ESTAD?O.

Qualidade do serviço como estratégia

No supermercado Hirota, funcionários rezam Pai Nosso e dão grito de guerra antes do expediente

Márcia De Chiara, ENVIADA ESPECIAL PUNTA DEL ESTE, URUGUAI

15 de abril de 2017 | 05h00

Todos os dias, dez minutos antes de começar o expediente, os mais de mil funcionários das 19 lojas da rede de supermercados Hirota, de São Paulo, fazem uma concentração coletiva. Rezam a oração do Pai Nosso, o gerente da loja faz uma reflexão sobre um tema, as metas do dia são estabelecidas, o grupo canta uma música que exalta a qualidade do atendimento e dá o grito de guerra: “Hirota, uma família a serviço das famílias”.

Luciano Nascimento, gerente de Recursos Humanos da varejista, que faz 45 anos este ano, contou que a prática foi adotada em 2011. E os resultados, segundo ele, são visíveis. “Melhorou muito o entrosamento da equipe”, disse o gerente.

Nascimento explicou que, pelo fato de a empresa ser de pequeno porte, o serviço prestado é o ponto forte do Hirota em relação aos rivais. “Temos ainda a preocupação de oferecer produtos a um preço justo”, ressaltou.

A inspiração para essa espécie de concentração diária dos funcionários veio, segundo Nascimento, do fundador da empresa, que sempre defendeu o serviço como o diferencial da companhia. O foco no atendimento ganhou força há alguns anos, quando executivos da varejista, em viagem ao exterior, encontraram nos Estados Unidos uma rede centenária de supermercado, a United Supermarket, que tem preço justo e prestação de serviço como os grandes pilares de sua reputação. 

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.