Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Quando a maré enche, todos os barcos sobem

O noticiário recente sobre o desempenho do mercado de trabalho brasileiro tem sido recheado de boas notícias. O Estado divulgou na sexta-feira que a taxa de desemprego medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nas seis principais regiões metropolitanas do País continua declinando e atingiu 6,7% em agosto, o menor nível desde o início da nova série da Pesquisa Mensal de Emprego de 2002. O rendimento médio real também segue aumentando e atingiu valor superior ao maior da série.

Cenário: André Portela, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2010 | 00h00

Menor desemprego e maior salário são sinais de mercado de trabalho aquecido. Ocasiões como esta são boas oportunidades para trabalhadores e sindicatos negociarem em condições mais favoráveis. Como também divulgado pelo Estado, muitos deles negociaram reajustes reais de 4% a 6%. Eles estão próximos do crescimento do salário real médio dos trabalhadores das regiões metropolitanas que, entre agosto de 2009 e agosto de 2010, cresceu 5,4%.

Como é muito provável que o mercado de trabalho permanecerá aquecido, é de se esperar que outras categorias obtenham reajustes semelhantes. Esses acordos são bons para ambas as partes. Os trabalhadores têm mais empregos com maiores salários e as empresas têm disposição e interesse em pagar mais por causa das expectativas de mais vendas e expansão de suas atividades.

Essas tendências de maiores salários e mais empregos são robustas e observadas já há algum tempo. Entre agosto de 2004 e agosto de 2010, o salário real cresceu em média 4,4% ao ano. Esses aumentos reais de salários são observados em quase todos os setores econômicos: indústria, construção, comércio e serviços. Também se verificam aumentos para todos os perfis de trabalhadores: homens e mulheres; jovens e adultos; menos e mais escolarizados; brancos e não brancos; entre todas as regiões, etc.

Na verdade, o que estamos vivenciando são as boas consequências do crescimento econômico ano após ano. Cedo ou tarde, todos acabam se beneficiando do processo de expansão das possibilidades econômicas do País, fazendo valer um provérbio conhecido dos economistas: "Quando a maré, enche todos os barcos sobem". Isso põe em relevo a importância das políticas econômicas consistentes ao longo do tempo, que propiciem ambiente de crescimento econômico estável e sustentável no qual todos se beneficiam.

É PROFESSOR DA ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (EESP/FGV).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.