ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Imagem Claudio Adilson Gonçalez
Colunista
Claudio Adilson Gonçalez
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Quanto mais mexer, piora

Muitas das prováveis mudanças na PEC 06/19 no Congresso podem empobrecer a reforma

Claudio Adilson Gonçalez, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2019 | 05h00

É absolutamente legítimo que o Legislativo, no uso de suas prerrogativas constitucionais, debata, analise e promova as alterações que julgar convenientes na proposta do Executivo de reforma da Previdência (PEC 06/19). No entanto, do ponto de vista técnico, muitas das prováveis modificações atingem medidas altamente pertinentes que, se excluídas ou muito alteradas, empobrecerão a reforma, não apenas pela redução do impacto fiscal, como também por prejudicar outros objetivos, tais como equidade, justiça e incentivo ao crescimento econômico. Vejamos alguns exemplos, possíveis de serem citados no espaço desta coluna.

O fim da obrigatoriedade de depósito ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da multa de 40% para os aposentados que voltam a trabalhar é uma das propostas que já nasceu morta. Foi muito criticada por políticos de todos os partidos e por analistas. Alguns a chamaram de pegadinha. Mas a medida é altamente conveniente. O FGTS faz parte do sistema de proteção ao desempregado e deixa de ser necessário para quem já recebe proventos da aposentadoria. A extinção deste encargo geraria estímulo para as empresas contratarem idosos e estes poderiam obter salários mais elevados. Manter aposentados na força de trabalho é positivo para a economia: eleva o potencial de crescimento, pela maior oferta de mão de obra.

Outro dispositivo natimorto da PEC 06/19 são as novas regras para a aposentadoria rural, cujo déficit, em 2018, alcançou R$ 114 bilhões. Basicamente, são duas alterações: 1) fixação, para o grupo familiar, de contribuição mínima de R$ 600 por ano, caso os recolhimentos pelo valor da comercialização da produção não alcancem tal piso; 2) elevação da idade mínima de aposentadoria das mulheres, de 55 para 60 anos, igualando-a à exigida para os homens.

Quanto à primeira medida, com uma contribuição de aproximadamente 5% do salário mínimo, acessível mesmo para aqueles que vivem da agricultura familiar, praticamente acaba-se com a concessão de aposentadorias sem contrapartida contributiva, prática disseminada no meio rural, dada a grande informalidade lá prevalecente. A elevação da idade mínima é também justificável. Segundo o IBGE, a expectativa de sobrevida das mulheres, aos 55 anos, é de 28,3 anos. Mantida a atual tendência de elevação, a sobrevida, para essa faixa etária, será de 30 anos em 2025. Ou seja, uma segurada que trabalhou 15 anos em atividade rural, com sobrevida igual à média, receberá benefício previdenciário por mais 30 anos, ou seja, o dobro do período supostamente contributivo.

Também estiveram sob forte ataque na Comissão de Constituição e Justiça – e isso deverá continuar na comissão especial – as regras de transição para aqueles que se aposentam por tempo de contribuição, que é de 35 anos para homens e 30 para mulheres. Muitos parlamentares as consideram demasiadamente duras. Tal crítica não procede. Não é o caso de detalhar as alterações aqui, mas basta dizer que o objetivo principal é evitar as aposentadorias precoces. A idade média de aposentadoria, nessa categoria, é de 53 anos para mulheres e de 55 anos para homens, com expectativa de sobrevida próxima a 30 anos. Não há sistema previdenciário que se viabilize dessa maneira. Ademais, só os trabalhadores de maior renda conseguem comprovar tantos anos de contribuição. Cerca de 83% dos aposentados recebem menos de dois salários mínimos e estes, em sua grande maioria, se aposentam por idade.

Suavizar excessivamente as regras de transição, além de poder acarretar significativa redução na economia fiscal da reforma, tende a perpetuar um sistema de previdência injusto e com pouca equidade.

Em resumo: mesmo que o Congresso aprove a PEC 06/19 com ganho fiscal dentro das expectativas, quanto mais mexer na boa proposta do Executivo, maior será o risco de comprometer sua qualidade.

*ECONOMISTA, DIRETOR-PRESIDENTE DA MCM CONSULTORES, FOI CONSULTOR DO BANCO MUNDIAL, SUBSECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL E CHEFE DA ASSESSORIA ECONÔMICA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA

Tudo o que sabemos sobre:
reforma previdenciária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.