bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Quanto vale sua reputação?

Muitas vezes, um fato corriqueiro e aparentemente insignificante pode ser o gatilho ou catalisador para uma ideia. E um conglomerado de ideias, se compartilhado virtualmente com diversas conexões, pode ditar o valor da sua reputação perante o mercado.

EXECUTIVO TÉCNICO DE VENDAS DA IBM BRASIL, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2013 | 02h08

Na era em que interações sociais pela internet tornaram-se corriqueiras, o mundo que nos rodeia torna-se muito maior do que era no passado. Explico: hoje conseguimos interagir com pessoas de todo canto do mundo, remotamente, de forma eficiente. E as trocas de experiências pelas redes sociais deixam um rastro digital difícil (ou praticamente impossível) de ser apagado.

Serve tudo, até mesmo algo bem trivial como, por exemplo, uma simples transação de troca de figurinhas do álbum de meu filho. Mais especificamente, uma troca articulada pela Internet. O funcionamento do site é bem simples: o usuário se registra, cadastra um álbum que está colecionando, as figurinhas repetidas que possui e as que faltam, e o site se encarrega de oferecer as possibilidades de troca que são, obviamente, concluídas no mundo real. A sutileza dessa transação está em: como confiar que a pessoa com a qual negociou vai lhe enviar as figurinhas?

Nesse portal, a resolução do impasse é simples e notável: cada vez que é concluída uma transação de troca, geram-se, para os dois lados, pendências de avaliação, que são resolvidas quando o destinatário declara que recebeu as figurinhas conforme combinado e, portanto, está satisfeito com o remetente. Ao registrar o recebimento, é gerada uma pontuação ao remetente.

O acúmulo de pontos se traduz em patamares de reputação, representados por um símbolo inserido no perfil pessoal do usuário e que aparece o tempo todo, inclusive quando uma troca está sendo proposta. Ou seja, ao decidir se uma troca é interessante, a reputação de um usuário aparece claramente e influencia na decisão do outro. Trocar com um "arquiduque", que já fez mais de duas mil trocas, é mais seguro e garantido do que trocar com um "peregrino", que não tem ponto algum.

E as primeiras trocas? Se um novato não tem pontos, então não tem reputação. Como ele deve agir para começar a ser bem visto nesse mundo virtual? É simples. Quem não tem pontos é convidado a enviar as suas figurinhas antes, de tal maneira que o outro espera recebê-las e o avalia positivamente, gerando os primeiros pontos para o remetente. Resolve-se, assim, o problema de falta de reputação inicial.

O processo nos mostra uma situação muito comum em nossa vida profissional, nos munindo de um valioso conselho: reputação, no mundo virtual, é a repetição de interações bem-sucedidas. Pode ser uma interação de troca, mas também poderia ser a resposta correta a uma pergunta, o pagamento em dia de uma dívida ou a prestação eficiente de um serviço.

Podemos, no entanto, assumir que alguém que faz centenas de trocas bem-sucedidas é bom pagador de suas dívidas ou um eficiente cumpridor de compromissos? E quem responde corretamente a muitas dúvidas sobre um tópico, pode ser um bom prestador de serviços relacionados a esse assunto?

Essas perguntas geram um enorme campo para pensar e articular novos negócios: um varejista poderia incluir a reputação registrada no site de trocas para fortalecer a análise de crédito daquele senhor que quer comprar uma televisão a prazo. O cidadão interessado em contratar um bom marceneiro poderia começar sua seleção nos sites de aficionados por marcenaria, buscando os mais frequentes, fiéis e competentes respondedores de dúvidas.

Múltiplas características, competências ou virtudes dão origem a múltiplas reputações, ou praticamente um currículo virtual, confirmadas por interações virtuais bem-sucedidas em vários campos. E dá para imaginar o valor que esse currículo, bem administrado, pode ter para quem quer realizar atividades e negócios na rede.

A coleta de dados que buscam quantificar a reputação já é realidade. Mas cada um tem a própria fórmula, não necessariamente a correta ou a mais útil. Ninguém, ainda, fez algo de realmente inovador na área da administração e intercâmbio de reputações, sustentando transações de valor comercial. Teríamos aí um novo candidato a bilionário?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.