Quase 15 mil morrem ao ano por acidentes no trabalho

Cerca de 14,8 mil pessoas perdem a vida no Brasil por ano por causa de acidentes no trabalho. A estimativa coloca o País com um dos maiores índices de mortes no trabalho do mundo em um relatório que está sendo divulgado hoje pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Segundo a entidade, as mortes por causa de acidentes de trabalho ou doenças geradas no ambiente profissional chegam a 2,2 milhões por ano em todo o mundo. Por dia, isso representa a morte de 5 mil trabalhadores. Os dados estão sendo divulgados às vésperas do congresso mundial sobre Segurança no Trabalho, que ocorre a partir de amanhã em Miami. Ainda assim, a OIT acredita que número é subestimado diante da falta de sistemas para detectar as causas de mortes no trabalho em muitos países. O que mais preocupa a OIT é que, enquanto nos países ricos há uma queda no número de vítimas, uma tendência contrária está sendo verificada nos países emergentes, especialmente na Ásia. Segundo a entidade, parte desse problema seria o rápido desenvolvimento de algumas economias e a ?pressão competitiva da globalização?. Para especialistas, isso demonstra que as condições de trabalho em vários países em desenvolvimento não estão adequadas em termos de segurança. Outro fator que preocupa os especialistas é o baixo número de mortes que é registrado oficialmente em alguns países como tendo sido causado por condições de trabalho. Na Índia, por exemplo, o número oficial de mortes é de apenas 222 vítimas por ano. Na República Tcheca, onde a população é 1% da população da Índia, o número de vítimas é de 231. A OIT, portanto, estima que o número mais próximo da realidade na Índia seria de 40 mil mortes por ano. No caso do Brasil, os números, ainda que baseados em dados de 2001, são os superiores em toda a América Latina. O México vem em segundo lugar na região, mas a taxa de vítimas fatais em acidentes de trabalho é de 7 mil por ano. Entre os demais países, o Brasil também ocupa uma posição preocupante. Apenas Indonésia, China e Índia contam com números superiores aos indicados pela OIT sobre o Brasil. Todos os países da União Européia e Estados Unidos juntos ainda contabilizam 15,8 mil vítimas fatais por acidente de trabalho. Mas os próprios americanos e europeus reconhecem que os números chegam a 103 mil e 122 mil, respectivamente, se for considerado mortes causadas também por doenças geradas no trabalho. Nos países em desenvolvimento, o maior número de vítimas está na agricultura e mineração. O Brasil, porém, segue uma tendência mais próxima a dos países ricos, onde há mais vítimas entre os trabalhadores do setor de serviços. No País, das 14 mil mortes anuais, seis mil ocorrem nesse setor, contra 4,8 mil na agricultura. Segundo a OIT, os homens são as principais vítimas dos acidentes de trabalho, enquanto as mulheres são as que mais sofrem de problemas musculares e fatores psico-sociais.

Agencia Estado,

19 Setembro 2005 | 07h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.