Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Quase humanos

Sistemas especialistas estão cada vez mais inteligentes. Máquinas enxergam assimetrias de mercado e negociam papéis financeiros mais rapidamente que qualquer humano. Computadores escrevem notícias sobre resultados de partidas esportivas e sobre balanços de empresas sem nenhum erro. O carro autônomo do Google circula pelas ruas dos EUA e, no único acidente com feridos, a culpa foi do motorista do outro veículo.

Renato Cruz, O Estado de S. Paulo

30 de agosto de 2015 | 03h07

No ano passado, um computador que fingia ser um menino ucraniano de 13 anos passou pelo teste de Turing. O software Eugene Gootsman conseguiu convencer jurados, num bate-papo online, de que era uma pessoa de verdade. O fato de o personagem escolhido ser um adolescente que não tem o inglês como primeira língua ajudou a convencer as pessoas de que havia alguém do outro lado, apesar de erros de interpretação. 

A inteligência artificial genérica ainda é rudimentar, mas isso não impede que as pessoas fiquem com medo. A revolta das máquinas é um tema recorrente da ficção científica. Em tempos em que sistemas eletrônicos começam a exercer atividades intelectuais, esse temor aumenta.

No filme Ex Machina, que ainda não passou no Brasil, um programador é convidado por seu patrão a avaliar uma robô, para verificar se ela é capaz de convencê-lo de que tem inteligência. O bilionário do setor de tecnologia fala para seu funcionário que um teste de Turing não teria o mesmo impacto, pois a avaliação só vai funcionar se o avaliador, ao ver uma máquina, mesmo assim se convencer de que está falando com uma pessoa.

Alguns dos melhores seriados atuais tratam de tecnologia, como Silicon Valley e Halt and Catch Fire. Em Humans, robôs humanoides chamados de “synths” fazem trabalhos domésticos. A maioria é destituída de emoções, a não ser por um pequeno grupo, em que seu criador, David Elster, instalou um software de 17 mil linhas capaz de gerar consciência. 

A realidade ainda está muito distante disso. Marcelo Porto, presidente da IBM Brasil, não acredita que a inteligência artificial ameaça a humanidade. O que temos hoje são sistemas especialistas como o Watson, da própria IBM, uma plataforma de computação cognitiva. O Watson foi treinado em 30 áreas do conhecimento, como oncologia e culinária. No lugar de ser programado, ele precisa “aprender” sobre cada área, interagindo com especialistas. Depois, consegue analisar textos sobre o assunto e absorver informações.

Atualmente, o Watson está sendo treinado para entender melhor imagens. Porto conta de um teste com imagens de peixes. Um peixe assado, sem cabeça, mas com rabo, foi reconhecido pelo sistema. Sobre a foto de um peixe-palhaço, o Watson comentou: “É um peixe. É o Nemo?”

Pirataria. Os melhores televisores de hoje têm 4K, resolução que equivale a quatro vezes a alta definição disponível nos canais de TV. Na semana passada, apareceu nas redes de compartilhamento o primeiro vídeo pirata em 4K, um episódio da série “Breaking Bad”, tirado do Netflix. Com 18 gigabytes, tem 50 vezes o tamanho de um vídeo em definição padrão. A maioria dos computadores não consegue rodar bem um arquivo desse tamanho.

Mobilidade. Uma pesquisa do Google mostrou que 69% dos donos de smartphones no Brasil consultam o aparelho durante conversas para saber mais sobre algo que foi dito. Apesar de as pessoas ainda comprarem pouco pelo celular, 80% fazem buscas móveis sobre produtos e serviços. 74% usam o aparelho para pesquisar sobre produtos dentro de lojas físicas.

Tudo o que sabemos sobre:
Renato CruzO Estado de S.Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.