coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Quase metade dos consumidores pretende gastar menos no Dia das Mães

Levantamento mostra que 47,5% dos compradores vão reduzir os gastos na data; shoppings centers são os estabelecimentos prediletos

Daniel Weterman e Felipe Neris, especiais para o Estado, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2016 | 05h00

SÃO PAULO - Quase metade dos consumidores que irão às compras neste Dia das Mães pretende gastar menos em presentes. Levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que 47,5% das pessoas decidiram reduzir os gastos na data que, depois do Natal, é a mais rentável para o comércio.

O cenário deve provocar uma queda nas vendas em relação ao Dia das Mães do ano passado. Em 2015, a data já havia apresentado retração, de 0,59% em relação ao ano anterior. O superintendente da CNDL, Éverton Correia, diz que as vendas podem atingir um recuo de até 3% neste Dia das Mães.

De acordo com o estudo, o resultado é reflexo direto da situação econômica. "Com o avanço da inflação e piora nos indicadores de emprego, o brasileiro se depara com menos renda disponível, que resulta em gastos mais modestos", diz a análise do levantamento. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 9,39% nos últimos doze meses até março.

O desemprego é o principal motivo apontado pelos entrevistados para a redução nas compras. Na pesquisa, 24,8% dos consumidores atribui à falta de ocupação a causa da diminuição nos gastos. A taxa de desocupação atingiu 10,9% no trimestre encerrado em março, num total de 11,1 milhões de pessoas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Endividamento (21%) e desejo por economizar (16,6%) também estão entre os motivos mais citados no levantamento entre consumidores.

 

 

"É saudável que o consumidor ajuste seu orçamento ao invés de aumentar gastos, mesmo que para o comerciante seja mais difícil vender", diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC. A principal dica, como sempre, é pesquisar o melhor preço possível.

A manicure Suelen Lopes, 25 anos, pretende gastar no máximo R$ 100 este ano com o presente para a mãe, frente aos R$ 200 consumidos ano passado. As demissões nas empresas têm afetado diretamente o trabalho dela, que perde clientes em função da redução no consumo e agora tem menos dinheiro para presentear. "Trabalho em um salão de beleza e os serviços que oferecemos são as primeiras coisas retiradas quanto a coisa aperta. Vou comprar algo só pra não passar em branco", conta.

Produtos. As roupas lideram a preferência para os presentes em 2016 (37%), seguidas dos perfumes (29%) e calçados (17%). A economista Marcela lembra que esses setores são habitualmente beneficiados na data. "Não houve muita alteração entre setores, mas o consumidor migrou para os produtos mais baratos", destaca.

O pagamento à vista em dinheiro é a principal forma a ser utilizada pelos consumidores (58,7%), ficando na frente do cartão de crédito parcelado (19,2%) e do cartão de crédito à vista (11,2%), aponta o estudo. "O dinheiro acaba sendo a melhor forma de gastar sem endividamento e de controlar o quanto pretende gastar", opina a economista. A maioria dos entrevistados pelo SPC Brasil (54,2%) pretende comprar somente um presente e 30,9% dos entrevistados afirmam comprar dois produtos. O valor médio do gasto pretendido é de R$ 93,55 com cada item. 

Preferência. O shopping center foi citado por 27,0% dos entrevistados como provável local para a compra dos presentes, seguido pelas lojas de rua (22,9%). A internet apareceu com 11,3%. A superintendente da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), Adriana Colloca, avalia que o setor ainda é uma das principais opções para o consumo neste Dia das Mães. "Apesar de não ser um momento positivo para o consumo, os shoppings são mais resilientes que outros setores em geral por ainda atraírem muita gente", diz. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.