JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Quase metade dos postos de combustíveis de SP vende produtos vencidos, diz Procon

Órgão encontrou grande quantidade de fluído de freio, aditivos e óleos lubrificantes fora da data de validade, o que causa riscos à segurança dos consumidores

O Estado de S. Paulo

17 de novembro de 2015 | 14h11

Atualizado às 14h57

SÃO PAULO - A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP) encontrou produtos vencidos em 166 de 371 postos de combustíveis fiscalizados no Estado de São Paulo entre junho e novembro deste ano, o que equivale a 44,7% do total. Segundo o órgão, chamou a atenção a quantidade elevada de fluído de freio, aditivos e óleos lubrificantes fora da data de validade.

"Como são manuseados pelos frentistas, os consumidores não observam o vencimento e pagam por um produto sem eficiência", disse o Procon, em nota.

Segundo o engenheiro mecânico e professor do departamento de engenharia mecânica do Instituto Mauá, Celso Argachoy, após o vencimento esses produtos passam a absorver umidade e perdem suas características. "Com a formação das bolhas, a resposta do freio fica comprometida", alerta. 

O engenheiro explica que o risco é ainda maior em descidas de serra, que exigem mais dos freios. O sistema superaquece e há a possibilidade de vazamentos, formação de mais bolhas e perda da eficiência. A sobrecarga nas lonas de freio causa vitrificação, levando a perda total do freio do veículo.

Para denunciar irregularidades, como produtos vencidos e faixas com preços menores do que os cobrados na bomba de combustível, o Procon-SP aconselha usar as páginas oficiais do órgão nas redes sociais. É preciso indicar a irregularidade, o endereço do estabelecimento e, se possível, uma foto comprovando a fraude. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.