Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Depois de carros e caminhões, fábricas de tratores, motos e autopeças também suspendem produção

Até o momento, quase 50 fábricas confirmam a suspensão das operações e vão deixar em casa mais de 110 mil funcionários

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2020 | 17h36
Atualizado 24 de março de 2020 | 19h39

Depois das fabricantes de automóveis e caminhões, que já estão quase todas em fase de paralisação da produção, montadoras de máquinas agrícolas, de motocicletas e de autopeças também começam a fechar unidades temporariamente na tentativa de evitar a disseminação do novo coronavírus.

Hoje, a John Deere anunciou que vai fechar por tempo indeterminado as seis fábricas no País, algumas a partir desta quarta-feira e outras a partir se segunda-feira.  Também anunciou hoje que vai suspender toda a produção a Moto Honda. A maior fabricante de motocicletas do País ficará parada entre 27 de março e 13 de abril, prazo que poderá ser postergado para o dia 20. Ao todo, 6,2 mil funcionários trabalham na planta de Manaus. 

O movimento começa a puxar também as fabricantes de autopeças e entre as que já confirmaram paradas estão Bosch, Continental, Denso, Pirelli, Schaeffer e Tupy. 

Até agora, somente duas marcas de automóveis, ambas instaladas em Goiás (Caoa e HPE - Mitsubishi e Suzuki) e duas de caminhões (Iveco e DAF) ainda não definiram se vão suspender a produção e dar férias aos funcionários. Outras 17 marcas já começaram a fechar as plantas nesta semana, grupo que engloba 38 fábricas com cerca de 110 mil trabalhadores. 

Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o setor automotivo agrupa 65 fábricas, das quais 22 são de máquinas agrícolas e duas de máquinas para construção. Juntas, elas empregam atualmente 125 mil trabalhadores.

Tratores

As fabricantes de máquinas agrícolas vinham evitando as paradas por estarem ligadas aos setor  agropecuário, que foi declarado como de atividade essencial no decreto do presidente Jair Bolsonaro. A preocupação era com  os produtores agrícolas que estão em período de colheita, não podem ficar sem atendimento. 

"Mesmo que haja algum plano individual de paralisação, montamos um esquema para atender o pós-venda, ou seja, os produtores, na produção de peças e assistência técnica", afirma Alfredo Miguel Neto, vice-presidente da Anfavea. 

Ele acrescenta que as empresas "estão tomando todas as atitudes em relação às pessoas que trabalham nas fábricas para proporcionar maior segurança" em relação ao coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.