coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Quase todas as negociações salariais repuseram inflação

Levantamento divulgado nesta quinta-feira pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) indica que 96% de um total de 271 negociações salariais realizadas de janeiro a junho e acompanhadas pela instituição em todo País conseguiram ao menos repor a inflação acumulada nos 12 meses anteriores à data-base da categoria. Este total - o melhor resultado já identificado pelo Dieese para o primeiro semestre desde 1996, quando o acompanhamento foi iniciado - foi atribuído aos baixos índices de inflação. O estudo "Balanço das negociações de reajustes salariais no primeiro semestre de 2006" indica ainda que 82% das negociações resultaram em reajuste acima da inflação, sempre considerando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) até o período da data-base.Conforme o levantamento, as taxas inflacionárias estiveram em declínio, passando de um INPC de pouco mais de 5% nos 12 meses anteriores à data-base de janeiro para algo como 2,75% no período encerrado em junho. Por setor, os maiores reajustes foram identificados no comércio, com 91% das categorias obtendo reajustes superiores ao INPC até a data-base. Na indústria, o porcentual foi de 84% e, em serviços, 77%.A pesquisa relata que 0,7% do total das negociações acompanhadas obteve reajuste de mais de 5% acima do INPC; 2,2% ficaram entre 4,01% e 5% acima da inflação; 4,4% de 3,01% a 4% acima do INPC; 13,7% de 2,01% a 3% além do INPC; 25,5% de 1,01% a 2% acima do índice; e 35,4% de 0,01% a 1% acima do INPC. Apenas 4,4% das negociações ficaram abaixo da inflação acumulada até a data-base. "Não foram observados quaisquer casos de perdas salariais nas datas-base de fevereiro e abril", acrescenta o estudo.Negociações Além da inflação em baixa, o Dieese credita o bom desempenho das negociações aos esforços do movimento sindical na busca de ganhos salariais, ao crescimento da economia nacional.Segundo o Dieese, contribuíram para a expansão do mercado consumidor interno puxado pela maior oferta de crédito, os aumentos reais do salário mínimo promovido nos últimos anos, o processo de redução da Selic e os investimentos em programas sociais realizados pelos governos federal e estaduais. "Ainda a realização da Copa do Mundo, a proximidade das eleições e a manutenção do crescimento da economia internacional são estímulos importantes para o aquecimento das atividades econômicas em 2006", acrescenta o estudo.Alerta O estudo faz um alerta, entretanto, que apesar dos resultados obtidos nas negociações coletivas, parte expressiva dos trabalhadores brasileiros não desfruta desses benefícios por estar na informalidade e porque o mercado ainda conta com índices elevados de desemprego e rotatividade de mão-de-obra. Este texto foi atualizado às 11h59.

Agencia Estado,

17 de agosto de 2006 | 11h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.