Divulgação
Divulgação

Quatro grupos nacionais e estrangeiros estão interessados em usinas da Cemig

Secretário-executivo afirma que há disposição para o diálogo no governo, mas não será possível abrir mão de um pagamento à União

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2017 | 20h47

O secretário-executivo de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, afirmou que já há quatro grandes grupos nacionais e internacionais interessados no leilão das usinas pertencentes à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande.

Pedrosa, que está como ministro interino durante a viagem de Fernando Coelho Filho à China, disse que há disposição para o diálogo no governo, mas que não é possível abrir mão de um pagamento à União e de que a solução se encaixe no marco legal do setor em um eventual acordo.

"Temos quatro grandes grupos nacionais e internacionais interessados no processo de leilão. A própria Cemig é uma interessada em potencial e a solução que vai ser construída pode não ser uma solução do conjunto das usinas", disse o ministro interino.

++ Em busca de receita, governo conta com negociação de excedente do petróleo do pré-sal

Segundo ele, não está descartado um cancelamento parcial do leilão. Volta Grande, entretanto, certamente será leiloada porque já passou por duas renovações. "A própria Cemig já entendeu que Volta Grande não entraria nesse pacote (de negociação)", afirmou.

A briga judicial da Cemig com a União, envolvendo a concessão das quatro usinas, está no centro do debate sobre o cumprimento da meta fiscal desse ano. A equipe econômica incluiu nas contas de 2017 a previsão de arrecadar R$ 11 bilhões com a venda das usinas.

Segundo publicou o Estadão/Broadcast na segunda-feira, 28, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com um pedido no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que seja derrubada a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que suspendeu o leilão das usinas, previsto para ocorrer no dia 27 de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.