finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Quebra da BRA fortalece domínio da TAM e da Gol

O colapso da BRA Transportes Aéreos aumenta ainda mais o poder das companhias TAM e Gol. Junto com a VRG (Nova Varig), que agora é da Gol, as duas detêm 89,7% do mercado. Para o consultor de aviação Paulo Bittencourt Sampaio, o fim das operações da BRA fortalece o duopólio, mas não é "conseqüência" do poder de mercado de Gol e TAM. "O problema da BRA não é o duopólio, mas incompetência administrativa", diz ele.Na sua opinião, nem mesmo a crise do setor aéreo , que tem levado a uma redução das margens de lucro da Gol e da TAM, pode ser considerada como explicação para o fracasso da BRA. "A crise afeta mais quem opera no Aeroporto de Congonhas e a BRA pouco dependia desse aeroporto". A base operacional da BRA era o Aeroporto Internacional de Guarulhos.O consultor defende o fortalecimento da OceanAir para fazer frente ao duopólio. "Precisamos de uma terceira companhia. Como não existe investidor estrangeiro querendo entrar nesse mercado e a lei também não permite mais de 20% de participação estrangeira, a OceanAir passou a ser a única opção fora do duopólio". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

07 de novembro de 2007 | 10h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.