portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Quebrada, AIG ainda paga bônus aos seus funcionários

Seguradora, que teve ajuda de US$ 173 bi do governo, paga US$ 165 milhões à divisão que a levou ao colapso

Agências internacionais, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

16 de março de 2009 | 00h00

A seguradora americana American International Group (AIG) afirmou ontem que vai pagar US$ 165 milhões em bônus aos funcionários da unidade de produtos financeiros, segundo informações do The New York Times. A divisão foi uma das que quase levou a empresa ao colapso no ano passado, precisando de ajuda de US$ 173,3 bilhões do governo americano para continuar funcionando.Segundo o jornal, esses bônus contemplam 400 funcionários, e o valor do pagamento a cada um deles varia de US$ 1 mil a US$ 6,5 milhões. Sete executivos da divisão de produtos financeiros deveriam receber mais de US$ 3 milhões.No início de 2008, a AIG teria montado um conjunto especial de bônus para essa divisão, no valor de US$ 450 milhões, que seriam pagos em parcelas e estimulariam os funcionários a ficar na empresa, mesmo em momentos de crise. Apenas parte do valor foi pago até setembro, quando a crise se aprofundou. A parcela de US$ 165 milhões seria paga ontem - fora outros US$ 55 milhões pagos em dezembro, segundo o NYT. A discussão desses bônus causou tal consternação entre os membros da administração Obama que o secretário do tesouro Timothy Geithner chamou-os de "inaceitáveis" e exigiu a renegociação dos valores. Mas os bônus serão pagos porque a firma está contratualmente obrigada a pagá-los, já que foram prometidos no ano passado, antes do início da crise.Na semana passada, Geithner pressionou a AIG a atrelar metade dos US$ 9,6 milhões que iriam para 50 altos executivos da empresa ao desempenho dos mesmos. O executivo-chefe da AIG, Edward Liddy, disse numa carta ao secretário do Tesouro dos EUA que a AIG "não pode atrair os melhores e mais brilhantes talentos se os funcionários acreditarem que a remuneração está sujeita a ajustes arbitrários do Departamento do Tesouro". Os pagamentos à unidade de produtos financeiros não incluem outros US$ 121,5 milhões referentes a bônus de 2008, que começarão a ser pagos neste mês para 6,4 mil dos quase 116 mil funcionários da seguradora. A AIG, resgatada pelo governo dos EUA em setembro ante o risco de concordata, também vai pagar mais de US$ 600 milhões de bônus de retenção a mais de 4 mil empregados. O governo pôs Liddy no comando da AIG como condição para que a empresa recebesse os recursos federais. Em troca do resgate, os contribuintes ficaram com quase 80% na empresa. "Muitas coisas terríveis aconteceram nos últimos 18 meses, mas, de todas, as da AIG são as mais ultrajantes", disse Larry Summers, diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca.FRASESEdward LiddyExecutivo-chefe da AIG"Não podemos atrair talentos se eles acreditarem que a remuneração está sujeita a ajustes arbitrários do Tesouro"Larry SummersConselheiro Econômico da Casa Branca "Coisas terríveis aconteceram nos últimos 18 meses, masas que aconteceram na AIG são as mais ultrajantes"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.