Divulgação
Divulgação

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Queda da Selic ainda não chegou ao tomador final de crédito, diz presidente do Santander

Sérgio Rial afirmou que a queda da taxa básica de juros, que recuou de 14,25% para 6,75%, ainda não é sentida pelo tomador pessoa física

Altamiro Silva Junior e Francisco Carlos de Assis, Broadcast

26 de fevereiro de 2018 | 13h58

O presidente do Santander e também da Câmara Espanhola de Comércio no Brasil, Sérgio Rial, disse nesta segunda-feira, 26, que a queda da taxa básica de juros, a Selic, que recuou de 14,25% para 6,75%, ainda não chegou ao tomador final de crédito. Rial fez a declaração em evento da Câmara que teve a participação do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn.

"Eu sei que a queda não se reflete completamente na ponta final, naquilo que cada um de nós pagamos", disse Rial no evento. "O que é importante é que hoje começamos em um nível de taxa de juros que até então não tínhamos e isso vai trazer transformações importantes."

O banqueiro ressaltou que a queda atual dos juros no Brasil é estrutural e não "uma canetada" ou um decreto. Taxa de juros abaixo dos 7% só se conheceu na década de 50, disse ele. "Isso está trazendo transformações importantes no dia-a-dia dos negócios das empresas."

Rial falou que o Brasil está no início de um dos maiores processos de revolução econômica da história do País e que agora é preciso votar corretamente nas eleições em outubro para que esse processo não se encerre e prossiga no próximo governo. A continuidade das reformas estruturais é essencial para assegurar que os juros fiquem no atual patamar baixo, disse o presidente da Câmara Espanhola. 

Na apresentação, Ilan falou que o BC está estudando formas de reduzir o custo de crédito para o consumidor, sobretudo no cartão de crédito. Ele disse que o BC convidou lojistas, associações de cartões e do varejo para discutir formas de mudar o sistema  e reduzir as distorções no mercado de cartões. 

O dirigente ressaltou, por exemplo, que não há planos de acabar com o parcelamento sem juros no cartão, mas o BC quer acabar com a ideia de que existe um financiamento sem juros no Brasil. "Tudo tem seu custo", disse ele. "Não existe nada sem custo e sem juros no Brasil."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.