Queda das vendas no Rio, Recife e Salvador

As cidades do Rio de Janeiro, Recife e Salvador, três regiões metropolitanas que fazem parte da pesquisa mensal do comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tiveram queda de faturamento no setor no mês de setembro em relação a agosto. No Rio, a queda foi de 6,1%; no Recife, de 7,3%, e em Salvador de 4,7%.O economista Guilherme Telles, responsável pela Pesquisa de Comércio do IBGE no Rio de Janeiro, disse que já se esperava uma redução de faturamento no comércio em setembro, mas a queda superou as expectativas. Ele explicou que a queda no faturamento era prevista porque setembro teve quatro dias úteis menos do que agosto, além do feriado de 7 de setembro. Além disso, agosto tem o Dia dos Pais, que aumenta as vendas.De acordo com Telles, a explicação possível para o fato de a redução no faturamento ter sido grande é que vários setores do comércio varejista são muito sensíveis a crédito e a taxas de juros, que não caíram muito no setor. Ele observa que também houve uma redução na renda familiar e um decréscimo de 0,8% no nível de salários pagos no Rio de Janeiro no mês, o que contribuiu para o resultado negativo nas vendas.No Rio, a comparação de setembro deste ano contra setembro do ano passado é negativa em 9,5% e o acumulado de janeiro a setembro contra o mesmo período de 1999 também é negativo, em 4,3%. No indicador acumulado de 12 meses até agosto o comércio do Rio tinha um crescimento de 2,7%, mas com setembro passou para uma queda de 3,6%.Nível de emprego cresceu nas três capitaisMesmo assim, o nível de emprego no comércio varejista do Rio aumentou 0,5% em relação a agosto. Já Salvador teve aumento de 0,8% no acumulado do ano em relação ao mesmo período do ano passado. Mas de agosto para setembro o nível de emprego caiu 0,5% e os gastos com salários e outras remunerações diminuiu 2,2%. No Recife, o nível de emprego cresceu 0,8% e os salários caíram 2,4%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.