Márcia De Chiara/ Estadão
Márcia De Chiara/ Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Supermercados e laticínios travam queda de braço

Varejo não aceita reajuste de 40% a 50% no preço do leite em caixinha; no início da semana retrasada, a queixa de aumento abusivo do preço do leite e derivados foi parar no Ministério da Justiça, em denúncia formal enviada pela Abras à Senacon

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 08h05

Depois de quase duas semanas paradas, as negociações entre supermercados e indústrias de leite em caixinha foram retomadas hoje, mas a queda de braço entre o varejo e os laticínos continua, segundo o diretor de Relações de Mercado da Associação Paulista de Supermercado, Omar Assaf. “As negociações foram retomadas e os preços pedidos têm reajustes que variam entre 40% e 50%." 

Segundo o diretor da Apas, o setor de supermercados está resistindo aos aumentos exorbitantes nos preços de um produto que é básico para a população. No entanto, não pode ficar sem leite nas prateleiras. 

No início da semana retrasada, a queixa de aumento abusivo do preço do leite e derivados foi parar no Ministério da Justiça, em denúncia formal enviada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras) à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon). Segundo o comunicado da entidade, o setor “não compactua com elevação injustificada de preços, principalmente num período de fragilidade da população no que se refere à saúde pública”.

Assaf diz que a indústria de leite e derivados justifica os aumentos, argumentando defasagem de custo, demanda forte e que está no início do período de entressafra, quando os pastos ficam secos e a produção de leite diminui. O dirigente do setor de supermercados lembra que as fortes chuvas que ocorreram recentemente deixaram os pastos em boas condições de produção. Ele admite que existe uma defasagem de custos, mas ressalta que os reajustes de preços são exagerados.

Assaf acredita que a queda no movimento dos supermercados, que vem ocorrendo nos últimos dias depois do pico de vendas que houve logo após o período de confinamento,deve ajudar o varejo a conter a alta de preços na hora de fechar os novos pedidos. Além disso, o estoque na indústria tem prazo de validade e, em algum momento, será necessário vendê-lo para não perder produto. No caso de queijos, alguns dos maiores consumidores são bares, restaurantes e lanchonetes que, por estarem proibidos de funcionar, deverão comprar menos esses produtos. Esse, segundo ele, será outro fator que deverá segurar preços.

Hoje uma medida tomada pelo Minsitério de Agricultura vai ajudar os pequenos laticínios que produzem queijos para o setor de restaurantes, que está parado, escoar a produção de leite. Segundo a Confederção Nacional da Agricultura (CNA), o governo federal autorizou laticínios com selo de inspeção federal a comprar leite de pequenas indústrias com selos de inspeção estaduais ou municipais. "Aqueles produtores que não estavam vendendo seu leite, pois o laticínio para o qual forneciam estava sem mercado voltarão a ter seu leite captado, dando fluidez ao mercado, principalmente na produção de leite UHT (leite de caixinha), que está com alta demanda no mercado", diz, em comunicado, a coordenadora de ProduçãoAnimal da CNA, Lilian Figueiredo. Procurada, a Associação Brasileira de Leite Longa Vida não respondeu o questionamento da reportagem até a publicação deste texto.

Além do leite, Assaf diz que produtos como óleo de soja e arroz também estão tendo preços majorados, porém os  novos valores pedidos não são tão elevados quanto os do setor de laticínios. Neste caso, o impacto se deve à alta do dólar, já que esses itens são commodities, isto é matérias primas cujas cotações são formadas no mercado internacional.

Pesquisa nacional realiza pela Fundação Getúlio Vargas mostra que os preços de 20 alimentos básicos subiram 1,64%, em média em 30 dias encerrados em 26 de março. No início de março, o ritmo de alta dessa mesma cesta de produtos era bem menor, de 0,19%. Entre os alimentos processados, o maior avanço foi do açúcar cristal (2,52%), seguido pelo arroz (1,74%), leite de caixinha e farinha de mandioca (1,50%) e leite em pó (1,30%). Entre os hortifrutigranjeiros, o tomate, com alta de 13,34%, e os ovos (9,04%) foram os campeões de aumentos de preços.  A mesma pesquisa mostra que tanto a farinha de trigo como o pão francês ficaram mais caros no período, com alta de 0,52% e de 0,27%, respectivamente. 

Logística

A indústria de farinha de trigo, produto básico da cadeia alimentar,  alerta para  dificuldade de abastecimento. Mas, neste caso, o risco de falta de produto não decorre da queda de braço entre varejo e indústria, mas do fluxo da cadeia logística para escoar a produção de farinha.

Segundo comunicado da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), “diante da descoordenação entre ações federais, estaduais e municipais, o fornecimento normal das farinhas está sendo prejudicado em alguns Estados pela dificuldade de liberação do fluxo das mercadorias, ameaçando o desabastecimento em algumas regiões”.

De acordo com a entidade, em alguns Estados, de 30% a 35% do volume de farinha não estão sendo entregues por causa do fechamento de fronteiras estaduais e da falta de serviços básicos de apoio nas estradas aos caminhoneiros, como alimentação e borracharia, por exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.