Queda de energia e vazamento paralisam oleoduto no Alasca

A queda de energia e o consequente derramamento de petróleo forçaram a paralisação do oleoduto Trans-Alasca nesta terça-feira, informou o operador da linha de 1.287 quilômetros.

REUTERS

25 de maio de 2010 | 21h38

O desligamento ocorreu depois de uma série de erros durante um teste programado de um sistema de controle de incêndio na Estação de Bombeamento 9, ao sul de Fairbanks, afirmou o operador Alyeska Pipeline Service.

A queda de energia provocou a abertura de válvulas de escape, causando o vazamento de um volume não especificado de petróleo bruto de um tanque de armazenamento para um outro secundário. Ninguém ficou ferido, mas o local foi esvaziado, acrescentou o operador.

Os produtores de petróleo de North Slope foram instruídos a limitar o fluxo a 16 por cento do nível normal, disse o Alyeska.

O Alyeska é um consórcio formado por cinco petrolíferas. As principais companhias são BP, ConocoPhillips e Exxon Mobil. Unocal e Koch têm participação minoritária.

O oleoduto Trans-Alaska, que vai de Prudhoe Bay a Valdez, normalmente transporta 667 mil barris de petróleo por dia.

(Reportagem de Bill Rigby)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAALASCAOLEODUTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.