Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Queda de juros facilita negociação salarial, diz presidente da CUT

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho, disse neste sábado em São Bernardo do Campo (SP) que a perspectiva de melhora da economia com a queda de juros pode ajudar nas negociações com os empresários para tratar dos reajustes de salários dos trabalhadores. Marinho visitou, no fim da tarde, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em seu apartamento no ABC paulista.Segundo Marinho, as conversas com os empresários devem começar a partir do dia 29, quando a CUT e a Força Sindical devem entregar a pauta unificada de reivindicações. "Se conseguirmos enxergar um horizonte, isso deve orientar o que vamos discutir agora," disse Marinho.Marinho lembrou que o reajuste deve inclusive ajudar na retomada, pois recompõe o poder de compra dos trabalhadores. Ele admitiu que a conversa com os empresários deve ser complicada. "Negociações são sempre complicadas, independentemente da conjuntura".Marinho disse esperar , entretanto, que o empresariado negocie com sensibilidade para buscar um resultado "na mesa" para evitar, por exemplo, o risco de greves.Sindicatos e AlcaSobre o encontro que o presente Lula deve ter com centrais sindicais norte-americanas em sua viagem aos EUA, nesta semana, Marinho, disse que devem ser discutidos assuntos referentes aos movimentos sindicais, mas a Alca também deve ser debatida.De acordo com Marinho, os representantes dos trabalhadores dos EUA são favoráveis à Alca, mas são sensíveis aos argumentos contrários dos brasileiros, o que segundo ele é bom para o Brasil. "Nós não somos contra a Alca, somos contra a Alca que o Bush (George W. Bush, presidente norte-americano) quer".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.