Queda de preços nos imóveis nos EUA é recorde

Estoque de imóveis para o maior nível desde a década de 1980. É uma oferta suficiente para quase um ano

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2008 | 13h30

O preço dos imóveis nos Estados Unidos tiveram a maior queda desde 1968. De acordo com a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis, o preço médio dos imóveis usados caiu para US$ 181,3 mil, retração de 13,2% em comparação ao ano passado, e a maior desaceleração desde que o grupo deu início à pesquisa, em 1968. Lawrence Yun, economista-chefe do grupo afirmou que provavelmente esta é a maior retração nos preços desde a Grande Depressão.   Veja também: PIB dos Estados Unidos tem maior contração em sete anos De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    Já as vendas de imóveis usados despencaram 8,6% nos EUA em novembro em comparação a outubro, para a média anual sazonalmente ajustada de 4,49 milhões de unidades. Em relação a novembro do ano passado, as vendas cederam 10,6%.   Outro fato negativo do mercado imobiliário norte-americano é que o total de imóveis em estoque subiu 0,1% em novembro para 4,20 milhões, o maior nível desde a década de 1980. Isto representa uma oferta suficiente para abastecer o mercado durante 11,2 meses, acima de 10,3 meses em outubro.   O mercado imobiliário nos Estados Unidos é um fator determinante para o cenário de crise no país e no mundo. Isso porque a crise teve origem neste mercado. Aproveitando os juros baixos, os americanos tomavam empréstimos para a compra de casas. Contudo, com a reversão da tendência para os juros, o nível de inadimplência subiu. Muitos americanos deixaram de pagar suas casas, o que provocou uma queda forte no preço dos ativos.   A crise afetou a saúde financeira de bancos, empresas e seguradoras, um efeito domino em toda a economia norte-americana. Na economia real, a crise já provoca uma forte onda de demissões e desaquecimento econômico em vários países.   Quarto trimestre mais fraco   A economia dos EUA no quarto trimestre está "significativamente mais fraca" que no terceiro trimestre, alertou a Casa Branca. "O quarto trimestre, sabemos por causa da crise de crédito... e das turbulências nos mercados financeiros, será significativamente mais fraco", disse o porta-voz da Casa Branca Tony Fratto.   As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.