Queda de vendas leva Toyota a reduzir produção nos EUA

Retração foi a primeira em 13 anos no mercado americano e provocou o corte de 250 trabalhadores

Regina Cardeal, da Agência Estado, NOVA YORK

19 de novembro de 2008 | 19h10

A Toyota Motor Corp informou nesta quarta-feira, 19, que vai parar a produção em suas fábricas nos Estados Unidos e no Canadá por dois dias extras em dezembro e cortar 250 trabalhadores temporários para enfrentar sua primeira queda nas vendas nos EUA em 13 anos.  A fabricante japonesa de veículos também anunciou que, a partir de janeiro, vai reduzir à metade a produção da minivan Sienna em sua fábrica de Indiana e desacelerar uma linha de produção em sua unidade de Georgetown, Kentucky, onde produz os sedãs Camry e Avalon. Na New United Motor Manufacturing Inc, joint venture da Toyota com a General Motors em Fremont, Califórnia, a empresa vai eliminar um turno de fabricação da picape Tacoma. Nenhum funcionário de tempo integral será afastado como parte das mudanças, mas a Toyota disse que eliminará 250 dos 500 empregos temporários na fábrica de Georgetown. Os cortes são o mais recente sinal de que a Toyota, após anos de enormes lucros e expansão em torno do mundo, está enfrentando dificuldades para manter os ganhos em meio ao declínio da demanda global por veículos e à mudança de hábito dos consumidores, que passaram a preferir os veículos menores aos utilitários e carros grandes, que eram mais lucrativos para as montadoras. Este mês, a Toyota cortou sua previsão de lucro em mais de 50% por causa da queda nas vendas nos EUA, seu maior e mais lucrativo mercado. Entre janeiro e setembro, a produção da Toyota na América do Norte caiu 8% sobre igual período do ano passado para 1,66 milhão. No mercado dos EUA, a Toyota informou que pode vender 2,2 milhões de veículos este ano, de 2,62 milhões em 2007, seu primeiro declínio em vendas na comparação ano a ano desde 1995. As informações são da agência Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.