Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Queda de vendas no varejo dos EUA pressiona bolsas da Ásia

As bolsas de valores da Ásia encerraram em queda nesta quinta-feira, após fracos dados de vendas no varejo dos Estados Unidos na véspera ressaltarem o longo caminho para uma recuperação econômica e levarem os investidores a realizar lucros.

ERIC BURROUGHS, REUTERS

14 de maio de 2009 | 08h05

O recuo dos mercados acionários asiáticos acompanhou o declínio observado no pregão eletrônico de Wall Street depois que as vendas no varejo caíram inesperadamente em abril, sugerindo que os consumidores ainda sofrem com o desemprego, a queda nos preços de moradias e o crédito apertado.

"As vendas no varejo dos EUA apontam para uma contínua queda na maior economia do mundo", disse Y.S. Rhoo, analista de mercado da Hyundai Securities, em Seul.

Analistas disseram que os mercados devem se apoiar na fraqueza dos indicadores norte-americanos para realizar lucros em posições que foram tomadas anteriormente mediante a esperança de que o crescimento global estava lentamente sendo retomado. Tal otimismo impulsionou as ações da Ásia em mais de 50 por cento em relação à mínima observada no começo de março.

A agência de classificação Standard & Poor's afirmou em um relatório sobre economias asiáticas divulgado nesta quinta-feira que é muito cedo para dizer que a economia global já atingiu o fundo do poço.

Às 7h51 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne as principais bolsas da região Ásia-Pacífico perdia 3,5 por cento, para 292 pontos, registrando a maior queda diária em seis semanas. Mas o indicador já subiu cerca de 19 por cento desde o início do ano.

O índice Nikkei, de TÓQUIO, desabou 2,6 por cento, para o nível mais baixo de fechamento em duas semanas, conforme exportadores se prejudicaram com a firmeza do iene e novas preocupações sobre a economia dos Estados Unidos.

As ações da Nikon despencaram, com a previsão do primeiro prejuízo operacional anual em 11 anos. A Panasonic também se desvalorizou depois de um jornal ter divulgado que a companhia deve apresentar prejuízo líquido de mais de 1,1 bilhão de dólares no atual ano financeiro.

"O recente avanço do mercado acionário tem sido alimentado pela melhora regular dos fundamentos, particularmente aqueles dos Estados Unidos", disse Takachi Kamiya, economista-chefe do T&D Asset Management.

A bolsa de HONG KONG recuou 3 por cento, com o HSBC e a China Mobile --dois pesos pesados dentro do índice-- conduzindo o retrocesso.

O mercado de TAIWAN caiu 1,87 por cento, enquanto o de CINGAPURA perdeu 2,89 por cento.

O índice de XANGAI teve queda de 0,9 por cento e o de SEUL caiu 2,37 por cento.

(Reportagem de adicional Shinichi Saoshiro)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.