Queda do diesel não chegará a R$ 0,46, dizem distribuidoras

Queda do diesel não chegará a R$ 0,46, dizem distribuidoras

Distribuidoras de combustível afirmam que ‘não há como’ repassar desconto integral e dizem que cálculo do governo ignora peso do biodiesel no preço

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2018 | 19h46

As distribuidoras de combustíveis convocaram para esta sexta-feira, 1º, uma reunião com o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, para discutir a redução de R$ 0,46 nos preços do óleo diesel nas bombas. Leonardo Gadotti, presidente da Plural, entidade que reúne a BR (da Petrobrás), Raízen (joint venture entre Cosan e Shell) e Ipiranga (do Grupo Ultra), disse que não há como o desconto ser integral e teme que os critérios de fiscalização anunciados pelo governo podem “provocar uma guerra” nos postos.

+++ Problema dos combustíveis aumentou com elevação do PIS/Cofins, diz Contas Abertas

Nos cálculos da Plural, a redução direta nas bombas seria de R$ 0,41, uma vez que o governo não colocou na conta os 10% de mistura de biodiesel que são misturados ao diesel. O argumento da entidade é que o biodiesel não teve os impostos reduzidos.

+++ Ministro diz que posto que não repassar desconto de R$ 0,46 pode pagar multa de até R$ 9,4 milhões

Outra preocupação das distribuidoras é sobre como a fiscalização para o cumprimento da redução de preços nas bombas vai ser conduzida. “Isto pode criar uma guerra em postos de estradas, provocar um caos, sobretudo em regiões que concentram produção agrícola.”

Fiscalização. O representante do Ministério da Justiça, Claudemir Brito Pereira, anunciou nesta quinta-feira, 31, que a portaria sobre a fiscalização nos postos sairá no Diário Oficial da União e que os órgãos do governo estarão prontos para fazer a vistoria em todo o País. O preço base a ser usado, para comparação, é do dia 21 de maio.

Segundo Gadotti, as distribuidoras fizeram uma força-tarefa para apoiar o governo durante a greve dos caminhoneiros, que afetou o abastecimento em todo o País. A expectativa da entidade era de que 100% carregamentos de combustíveis das distribuidoras até os postos estivessem regularizados até a noite desta quinta.

Outro tema que será colocado em pauta é a reversão da decisão emergencial da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que flexibilizou a mistura de etanol na gasolina (de 27% para 18%) e a do biodiesel no diesel (de 10% para zero) com o objetivo de evitar o desabastecimento. A agência também suspendeu a exigência de que postos de determinadas bandeiras comprem combustíveis de suas respectivas distribuidoras. 

“Foi uma decisão de caráter emergencial, mas que precisa ser revista. O setor de distribuição é um dos poucos que são organizados e há tempos trabalha para combater a adulteração dos combustíveis e a sonegação de impostos.” / COLABOROU TÂNIA MONTEIRO, DE BRASÍLIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.