finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Queda do dólar já reduziu saldo comercial do Brasil

Superávit comercial em novembro registra queda de 11,8% em relação à média diária de novembro de 2006

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

19 de novembro de 2007 | 18h00

O dólar barato está levando à queda do saldo da balança comercial. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 19, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o superávit comercial em novembro registra uma queda de 11,8% em relação à média diária de novembro de 2006. O ritmo forte das importações tem reduzido o saldo, que, no ano, já é 10,8% menor que em 2006. As exportações acumulam US$ 139,28 bilhões no ano, com alta de 15,5%, e as importações, US$ 103,48 bilhões, uma expansão de 28,7%, resultando em um saldo positivo de US$ 35,80 bilhões.  Na terceira semana de novembro, a balança apresentou exportações de US$ 2,67 bilhões e importações de US$ 1,98 bilhão, resultando em superávit de US$ 693 milhões. Com isso, as vendas externas subiram para US$ 6,91 bilhões no mês e as importações, para US$ 5,49 bilhões, com superávit de US$ 1,42 bilhão.  A média diária das importações em novembro é de US$ 549 milhões, 26,8% acima da média de 2006 enquanto as exportações, com média diária de US$ 691,9 milhões, têm alta de 16,3%. Aumentaram as importações, principalmente, com aeronaves e peças, automóveis e partes, siderúrgicos, equipamentos mecânicos, instrumentos de ótica e precisão, plásticos e obras, adubos e fertilizantes.  Nas exportações, houve aumento das vendas nas três categorias de produtos. Os embarques de básicos subiram 25,8%, por conta de milho em grão, fumo em folhas, soja em grão, carnes suína e de frango, algodão em bruto e petróleo em bruto. Os manufaturados aumentaram 14,6%, puxados pelos embarques de gasolina, óleos combustíveis, aviões, pneumáticos, automóveis, suco de laranja congelado, veículos de carga, tratores e motores e geradores. As exportações de semimanufaturados cresceram 4,4%, principalmente, catodos de cobre, óleo de soja em bruto, ferro-ligas e celulose.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.