Queda do petróleo: mercado mais tranqüilo

O preço do petróleo, que deve continuar no alvo das atenções no mercado financeiro, começou o dia em baixa no mercado internacional, de acordo com apuração da editora Cynthia Decloedt. O barril do petróleo bruto, negociado em Londres, é vendido a US$ 30,23 - queda de 1,02% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. A tendência de baixa foi motivada pela decisão do governo norte-americano de liberar 30 milhões de barris das Reservas Estratégicas de Petróleo dos Estados Unidos. Diante do recuo do preço do petróleo, o dólar comercial segue em tendência de queda desde o início da manhã. Há pouco, estava cotado a R$ 1,8420 na ponta de venda dos negócios. Uma baixa de 0,16% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. O cenário para o preço do petróleo também afeta a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) que opera em alta 0,79%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam o dia pagando juros de 17,030% ao ano, frente a 17,150% ao ano registrados na sexta-feira. A cotação do euro voltou a cair no início da manhã. Na sexta-feira, os bancos centrais dos Estados Unidos (FED), Europa, Alemanha, França, Inglaterra e Japão intervieram no mercado comprando moeda européia. Isso fez com que o euro encerrasse o dia em alta de 0,02%. O desempenho do euro preocupa os investidores. Isso porque, caso fique em patamares baixos, o poder de compra dos países europeus torna-se reduzido, o que prejudica o resultado financeiro das empresas norte-americanas, que exportam grande parte de seus produtos para a Europa. Isso pode comprometer o desempenho dessas companhias no mercado acionário norte-americano, afetando também a posição dos investidores em outros países. A perspectiva para o dia no mercado financeiro é de menos oscilações e maior tranqüilidade. Porém, os analistas afirmam que o período de instabilidade ainda não passou. É preciso que, de fato, o preço do petróleo se estabilize. Para o mercado acionário, a falta de recursos novos ainda impede um cenário mais positivo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.