finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Queda do preço do álcool perde força

Em São Paulo, porém, ainda é possível encontrar o combustível a menos de R$ 1

Nicola Pamplona e Gustavo Porto, da Agência Estado,

27 de julho de 2007 | 19h52

O ciclo de baixa do preço do álcool, iniciado com a colheita da safra em meados de maio, parece estar chegando ao fim. O produto já acumula três semanas de alta nas usinas de São Paulo e, nas bombas, o ritmo de queda dos preços vem perdendo força. Especialistas apontam uma antecipação do início do período de alta, que normalmente ocorre a partir de agosto. Em São Paulo, porém, ainda é possível encontrar o combustível a menos de R$ 1. Calcule: álcool ou gasolina   De acordo com o indicador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), o litro do álcool hidratado nas usinas de São Paulo subiu 1,22% essa semana, atingindo os R$ 0,592. Já a cotação do álcool anidro, que é misturado à gasolina, teve alta de 0,86%, para R$ 0,674. É a terceira semana de alta do hidratado, utilizado nos veículos flex ou movidos a álcool. Nos postos brasileiros, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço do álcool hidratado registrou queda de 1,07%, em média, essa semana. A redução, de R$ 0,20 por litro, é a menor registrada no último mês, período em que o preço do produto acumula queda de 3,7%. No Estado de São Paulo, informa a ANP, o litro do álcool hidratado foi vendido, em média, a R$ 1,176 por litro na semana, valor 1,75% inferior ao registrado na semana passada. A queda acumulada nos postos paulistas é de 5,08% no mês. Em julho, queda foi de 17% De acordo com Mirian Bacchi, pesquisadora do Cepea/Esalq, é possível que o aumento no preço do álcool nas usinas já mostre o tradicional movimento sazonal de alta nos valores do combustível, que normalmente ocorre a partir de agosto, revertendo baixas dos meses de junho e julho. "Mas ainda é difícil afirmar, com segurança, que foi revertida a estabilidade, porque a alta é pequena para especular", salientou Mirian.  O álcool hidratado fecha o mês de julho com um preço, nas bombas, 17% inferior à máxima do ano, atingida em maio (R$ 1,668 por litro). No início de 2007, o governo teve de reduzir o porcentual de álcool na gasolina para evitar explosão dos preços. Em julho, a mistura voltou aos 25% habituais, desta vez para evitar forte depreciação. A medida teve pouco impacto no preço da gasolina, que caiu apenas 0,7% entre a primeira e a última semana de julho, segundo a pesquisa da ANP. A agência detectou 109 postos vendendo álcool hidratado a menos de R$ 1 na cidade de São Paulo, o que representa 17% da amostra semanal feita para verificar os preços dos combustíveis. Segundo o levantamento desta semana, o preço mínimo cobrado na capital é de R$ 0,93 por litro. O preço máximo, por outro lado, foi de R$ 1,599 por litro.

Tudo o que sabemos sobre:
Preço do álcool

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.