finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Queda do preço do minério derruba receita de cidades de MG

Repasses caíram 19% de janeiro a julho; em Itabira, maior produtora de minério de ferro, queda ficou em 62,1%

RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA ESTADO, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2014 | 02h04

A queda acentuada no preço do ferro já é sentido nas cidades de Minas Gerais onde a mineração é importante fonte da economia. No Estado, os repasses da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem) caíram 29% de janeiro a julho deste ano. Mas, em cidades como Itabira, maior produtora de ferro, a queda foi ainda mais acentuada e ficou em 62,1%.

Outras cidades também foram prejudicadas no período, situação que se manteve em agosto, conforme mostram os números divulgados na sexta-feira pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Em São Gonçalo do Rio Abaixo, de R$ 4.374.448,21 recebidos em julho, o Cfem caiu para R$ 2.900.452,92, valor que acaba de ser repassado à prefeitura.

Na cidade, o prefeito Antônio Carlos Noronha Bicalho (PDT) já havia se reunido antes do fim do primeiro semestre com seus secretários para pedir o corte de gastos na prefeitura. Medidas parecidas foram adotadas em Nova Lima, onde no semestre a arrecadação com o minério caiu 35,2%, e em Brumadinho, cuja queda foi de 33,4%.

Em Brumadinho, segundo o secretário municipal da Fazenda, Geraldo Luiz Machado Resende, a maior receita do município vem dos royalties da mineração e de impostos gerados pela atividade mineradora.

De acordo com a Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (Amig), as cidades mineradoras têm até 85% do orçamento dependente dos impostos e contribuições gerados pela mineração. Além da contribuição pela exploração do solo por grandes companhias, são muitos funcionários e empresas que dependem do setor para sobreviver.

Vale. No complexo de mineração de Itabira, onde a companhia Vale iniciou suas atividades em 1942, a preocupação maior é com o futuro. Localizada no chamado "Quadrilátero Ferrífero", uma área de 7 mil km² na região central de Minas Gerais e uma das maiores fontes de ferro do mundo, a cidade recebe investimento de R$ 8 bilhões da companhia.

São mais de 7 mil trabalhadores na mineração e muitos outros que dependem da atividade. "Se esse pessoal sumir daqui, não sei como vou sobreviver", diz José Rezende Ramos, dono de um comércio local.

Paulo Henrique Gomes de Figueiredo, que responde pelas finanças do município, diz que a contribuição direta pelos ganhos da mineração já chegou a ser a primeira renda do município, mas hoje está em quarto lugar. Foram R$ 4,8 milhões que acabaram de entrar nos cofres da prefeitura referentes a agosto. Bem atrás de meses anteriores, como janeiro, quando foi de R$ 7,4 milhões.

Procurada pela reportagem, a Vale garantiu que não pretende suspender seus investimentos nas cidades mineiras. "Não tem previsão de corte nenhum", informou a assessoria da empresa.

A Vale informou que não tem como garantir que as contribuições recebidas pelos municípios em relação ao comércio de minério vão aumentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.