Queda dos juros atrai consumidor

A média diária de consultas ao Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) entre os dias 1º e 25 de junho está 4,6% superior ao mesmo período de 1999. Até o dia 20, o desempenho do SCPC era negativo. Segundo o economista Emílio Alfieri, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), essa virada tanto pode ser por influência psicológica das notícias de queda dos juros, quanto por causa do feriado. Segundo ele, quem não viajou pode ter ido às compras.Esta semana será decisiva para se ter uma idéia melhor sobre o comportamento do consumidor. Como as consultas ao SCPC são um indicativo das vendas a prazo, se o ritmo de alta for mantido, estará mais claro o impacto da redução dos juros. A média diária de consultas ao Telecheque no mês está 14,8% maior em relação a igual período de 99, o que indica que as vendas à vista continuam aquecidas. Outros setores seguem a tendência de queda dos juros A Caixa Econômica Federal (CEF) anunciou ontem a redução de juros em oito linhas de crédito, sendo três na modalidade de crédito pessoal e cinco nos diversos tipos de cheque especial. No segmento de automóveis, os bancos das montadoras estão ampliando prazos e devem anunciar redução de juros a partir de hoje. O Banco Fiat começou a oferecer a opção de financiamento em 48 meses com juro mensal de 1,99%, antes disponível só para compras em até 36 parcelas. O Banco General Motors deve anunciar redução nas taxas ainda nesta terça-feira. Cuidado: as taxas ainda são altas demais e exigem cuidado Apesar da notícia ser boa, vale lembrar que, no geral, as taxas de juros ao consumidor ainda estão muito altas. Como parâmetro, a inflação prevista para o ano é de 5% segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP ( Fipe ). Outra comparação é o ganho que as aplicações oferecem. Os fundos de investimento em renda fixa, por exemplo, rendem até 1,3% ao mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.