Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Queda dos preços da energia ajuda indústria dos EUA

A atividade industrialnorte-americana no Meio-Atlântico se enfraqueceu menos emagosto, enquanto os pedidos de auxílio-desemprego caíram,segundo dois relatórios divulgados nesta quinta-feira, quetrouxeram algumas boas notícias, apesar do ambiente econômicopessimista. No entanto, um índice dos principais indicadores econômicosdivulgado pelo grupo industrial Conference Board apresentou seumaior declínio em um mês em cerca de um ano, sugerindo que ocenário principal continua a se deteriorar. O Federal Reserve da Filadélfia informou que seu índice deatividade ficou negativo em 12,7 em agosto, melhor patamardesde dezembro. Em julho, ele tinha sido negativo em 16,3.Leituras abaixo de zero apontam contração no setor. Enquanto isso, os pedidos semanais de auxílio-desempregodiminuíram em 13.000 para o patamar ajustado de 432.000 nasemana encerrada em 16 de agosto. Menos pessoas que o esperado pelos economistas solicitarambenefícios de desemprego, o que estimulou o dólar e as ações areduzirem brevemente algumas perdas. Mas o número de pedidos deauxílio-desemprego permaneceu acima do esperado geralmente emrecessões. "O pico recente sugere consequentemente que a economia dosEstados Unidos entrou em um período sombrio, que tende a sermarcado por um aumento no desemprego", disse Tony Crescenzi, umestrategista de mercado do Miller Tabak. "Muitos estãoesperando a contração da economia dos EUA no último trimestre,possivelmente de grande dimensão." O índice dos principais indicadores contribuiu para essestemores, caindo 0,7 por cento, uma queda três vezes maior que aprevista por Wall Street, e caiu para o menor nível desdeoutubro de 2004. "Poucos meses atrás, havia uma discussão sobre umarecuperação no segundo semestre", disse Ken Goldstein, um doConference Board. "Se houver uma recuperação no segundosemestre, será no de 2009." Embora o levantamento do Fed da Filadélfia tenha certamentemostrado sinais de melhora, muito se deveu à queda vertiginosados preços da energia no mês passado. Tirando isso fora, o sentimento que prevalece entre osexecutivos ainda é de relutância e incerteza. "O setor de manufaturas da região permanece fraco",declarou o Fed da Filadélfia em seu relatório. A melhora veio principalmente da maior queda dos preçospagos desde outubro de 2005, quando a economia recuperou-se doimpacto do furacão Katrina, que devastou a costanorte-americana no Golfo do México. O índice de preços pagoscaiu para 57,5, ante 75,6.

PEDRO NICOLACI DA COSTA, REUTERS

21 de agosto de 2008 | 14h18

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUACONSOLIDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.