Queda em preços agrícolas desacelera na ponta ao consumidor

A redução nos preços dos produtos relacionados de alguma forma com o setor agrícola está diminuindo na maior parte dos produtos na ponta ao consumidor. O levantamento foi feito pelo coordenador do IPC-Fipe, Paulo Picchetti, e divulgado hoje. O tomate, por exemplo, cujo preço recuava 21% na semana anterior, cai agora 10%. O álcool combustível, que, nas últimas quatro semanas, apresentava deflação entre 15% e 13%, recuava na semana passada 7%. "A queda dos preços dos produtos agrícolas, não está se intensificando na maior parte dos itens", afirmou o coordenador.Segundo ele, o setor segue muito volátil e há exemplos, como o da batata, que ainda mostram um aprofundamento deflação. Na semana passada, o preço deste item ao consumidor estava 16% abaixo da pesquisa anterior e, agora, cai 28%.O coordenador acredita que, aos poucos, esse movimento baixista venha a ficar menos significativo. "Aparentemente, estamos observando uma estabilização dos preços e isto contribuirá decisivamente para que a deflação não seja ainda maior", explicou.Ainda em relação à ponta, o subgrupo In Natura vem apresentando queda de 5% nos preços nas últimas três semanas, enquanto o grupo Transportes registrou deflação aproximada de 1% nas duas últimas semanas. "Este movimento reflete um problema de oferta e não demanda", ponderou o economista.Especificamente na terceira quadrissemana, a maior queda observada foi novamente a do álcool (-13,22%), seguida pelo arroz (-6,15%), gasolina (-1,77%), batata (-14,36%), uva (-19,27%) e tomate (-10,38%). Juntos, estes seis itens foram responsáveis por uma contribuição negativa de 0,19 ponto porcentual no IPC do período.Entre as maiores altas, merecem destaque o contrato de assistência médica (1,23%), automóvel usado (1,71%), viagem (excursão), com 3,03%, serviço doméstico (1,48%), condomínio (1,02%) e limão (39,28%). Somados, estes seis itens participaram com 0,16 pp na inflação da capital paulista no terceiro levantamento do mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.