Queda nas ações de Vale e Petrobras derruba Bovespa

Principal índice da Bolsa de São Paulo cai 3,14% no dia, acumulando perdas de 7,55% no mês de julho

Claudia Violante, da Agência Estado,

17 de julho de 2008 | 17h46

A queda nas ações da Vale e da Petrobras derrubaram a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), interrompendo três pregões seguidos de elevação. A redução no preço do petróleo, a resposta dos investidores à subscrição da Vale e a venda por parte de estrangeiros justificaram o desempenho doméstico, que foi na contramão de Wall Street: o mesmo petróleo fraco que atrapalhou a bolsa doméstica ajudou os índices a subir nos EUA, além dos favoráveis indicadores e do balanço do JPMorgan.  Veja também:Petróleo nos EUA fecha abaixo de US$130 com demanda fraca A Bolsa doméstica terminou o dia com baixa de 3,14%, aos 60.108,7 pontos. O índice oscilou entre a mínima de 59.985 pontos (-3,34%) e a máxima de 62.606 pontos (+0,89%). Com o desempenho desta sexta, o Ibovespa passou a acumular perdas de 7,55% no mês e de 5,91% no ano. O volume financeiro contabilizou R$ 8,295 bilhões (preliminar), sendo que Petrobras e Vale, considerando papéis ordinários e preferenciais, giraram quase 47% do total.  Os estrangeiros voltaram a agir com firmeza na ponta vendedora, principalmente das blue chips Vale e Petrobras, embora as siderúrgicas também tenham sido prejudicadas e se situado entre as maiores perdas do dia. Mas o principal destaque negativo do pregão foi de Vale, em reação à operação de subscrição de papéis, terminada na quarta-feira.  Vale PNA liderou o volume financeiro individual negociado no Ibovespa hoje, com R$ 2,083 bilhões. Vale ON perdeu 5,41% e Vale PNA, 5,40%. Petrobras, por sua vez, caiu com a venda de estrangeiros e, acima de tudo, com o tombo do petróleo no mercado norte-americano. Petrobras ON recuou 4,23% e PN, 4,95% (esta com giro de R$ 1,260 bilhão).  Na Nymex, a cotação do petróleo fechou pela primeira vez abaixo de US$ 130 desde 5 de junho deste ano, com a melhora entre as relações EUA e Irã e com o vencimento do contrato de opções para agosto. Na Nymex, o contrato regular para o mesmo mês terminou a sessão em US$ 129,29, em baixa de 3,95%.  Se prejudicou Petrobras, o petróleo mais barato foi um estímulo a mais para os investidores comprarem ações em Wall Street. Os outros foram o balanço considerado positivo do JPMorgan e também os indicadores divulgados nesta quinta, entre eles o dado de construções residenciais e o número de pedidos de auxílio-desemprego.  O Dow Jones terminou em elevação de 1,85%, na máxima do dia, aos 11.446,7 pontos. S&P subiu 1,20%, para 1.260,31 pontos, e Nasdaq teve ganho de 1,20%, a 2.312,30 pontos. Na Europa, as bolsas também subiram. A Bolsa de Londres fechou o dia com valorização de 2,63%, a Bolsa de Paris ganhou 2,76% e Frankfurt encerrou em alta de 1,88%.

Mais conteúdo sobre:
BovespaMercado Financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.