Queda nas vendas impede repasse dos preços para varejo

A queda nas vendas está impedindo qualquer repasse da alta dos preços no atacado para o varejo, segundo o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Sebastião Mauro Figueiredo Silva. Dados da entidade apontam uma queda de 14,5% nas vendas do varejo de maio para junho. A estimativa é de uma redução de 8% no acumulado do ano, em relação a igual período do ano passado. "A concorrência entre os lojistas é grande e os consumidores estão sem dinheiro. Está difícil elevar preços", disse Silva. Ele afirmou que o setor prossegue em negociações permanentes com fornecedores, na tentativa de diminuição conjunta de margens para evitar repasses da alta do dólar aos consumidores. Mas, segundo Silva, há casos específicos de produtos, como os derivados do trigo, nos quais é inevitável o repasse, já que são cotados em dólar. A expectativa dos varejistas é que o câmbio "volte à normalidade" logo após o primeiro turno das eleições em outubro, reduzindo a pressão sobre as margens do varejo. "Esperamos que a situação pelo menos pare de piorar", afirmou.

Agencia Estado,

31 de julho de 2002 | 17h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.