coluna

Louise Barsi: O Jeito Waze de investir - está na hora de recalcular a sua rota

Queda nos gastos do governo faz PIB dos EUA crescer menos

Economia americana cresce a uma taxa anual de 2,4 % no 1º trimestre, 0,1 ponto porcentual abaixo da previsão inicial

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE/NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2013 | 02h05

Os gastos públicos do governo dos Estados Unidos caíram mais que o inicialmente estimado no primeiro trimestre, ajudaram a puxar o Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano para baixo e podem contribuir para esfriar ainda mais a atividade econômica no segundo período de 2013, avaliam economistas consultados pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. A previsão é de um crescimento menor no segundo trimestre, com a economia só se recuperando com mais força a partir do segundo semestre.

Os dados divulgados ontem pelo Departamento de Comércio mostram que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,4% de janeiro a março, em vez dos 2,5% inicialmente divulgados em abril. Os dados são anualizados. Uma terceira (e final) estimativa do PIB será divulgada no dia 26 de junho.

Um dos fatores que pesaram na redução para baixo dos números anunciados ontem, destacam os economistas, foi o maior impacto da redução dos gastos e investimentos públicos. Na primeira prévia do PIB, eles caíram 4,1%. Nos números apresentados nesta quinta-feira, a redução aumentou para 4,9%. O corte automático de gastos públicos entrou em vigor em março.

Além de o governo cortando gastos, outro fator que pesou na redução do PIB foram os menores investimentos corporativos, incluindo na recomposição de estoques. Na primeira prévia do PIB, a redução dos gastos das empresas havia ficado em 0,3%. No número de ontem, passou para 3,5%.

No caso dos gastos públicos, a previsão do economista do RBC Capital Markets, Tom Porcelli, é que o maior impacto dessa redução na atividade econômica será a partir de maio, com os órgãos públicos e departamentos de governo reduzindo compras de equipamentos e suprimentos e dispensando funcionários e fornecedores. Por isso, ele estima que o PIB vai crescer apenas 1,5% no segundo trimestre. A previsão é que o setor público tenha impacto negativo em 0,6 ponto no PIB norte-americano de 2013. Ou seja, não fossem os cortes, a economia poderia crescer 0,6 ponto porcentual a mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.