Queixas de clientes são rotineiras no país

Professora brigou com empresa porque hospital preferido foi retirado do convênio

, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

Cláudia Dantas, empresária e professora, tem 50 anos e é cliente da Unimed desde 2004. Um ano após contratar seu plano de saúde, ela mudou para um produto melhor. "Fiz a alteração só para ter o hospital Santa Catarina na rede credenciada", conta. A preferência, diz ela, era, sobretudo, pela proximidade entre o hospital e sua casa.

Em junho de 2009, a empresária precisou, pela primeira vez, usar o serviço do pronto socorro do Santa Catarina. "Aí eu tive a surpresa: o hospital não atendia mais o meu plano", diz.

Cláudia conta que tentou de várias maneiras descobrir o motivo da saída da unidade de seu plano. "Escrevi cartas, liguei, mas eles não sabiam o que responder e, algumas vezes, me disseram que havia sido recolocado um novo hospital na rede, mas não sabiam informar qual."

A queixa da professora é uma das 1.339 reclamações sobre planos de saúde recebidas em 2009 pelo Procon-SP. Tradicionalmente, o setor é um dos que mais recebe queixas na seção São Paulo Reclama, do Estado.

Após meses de insistência, ela diz que a Unimed esclareceu que a saída do Santa Catarina havia sido informada no boleto bancário de agosto de 2009.

Procurada, a Unimed disse que, por iniciativa do próprio Santa Catarina, todos os planos de saúde, desde junho, não são atendidos no pronto socorro por causa de "reforma na estrutura física" do hospital./ R.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.