finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Quem investe em educação ganha mais e gasta mais

Famílias chefiadas por pessoas com curso superior investem 1.920% mais nesse item que aquelas que não têm nenhum membro nessa faixa escolar

Adriana Chiarini, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2030 | 00h00

As famílias chefiadas por pessoas com curso superior, concluído ou não, gastam 1.920% mais com educação que as que têm como referência pessoas com apenas um ano de estudo.Enquanto o primeiro grupo de famílias gasta R$ 180,04 mensais com educação, o segundo gasta R$ 8,91, de acordo com o estudo Perfil das Despesas do Brasil, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados são da base da Pesquisa de Orçamento Familiar 2002-2003 e estão em preços de 2003.Como proporção dos gastos totais da família, a diferença entre os recursos direcionados para educação diminui, mas ainda é substancial. A proporção da faixa com mais estudo é de 4,9% das despesas totais do grupo (R$ 3.683,02), o que corresponde a pouco mais de quatro vezes os 1,2% dos gastos totais das famílias na faixa com pessoas de referência com menos de um ano de estudo (R$ 769,68). As despesas da primeira faixa são aproximadamente 379% superiores às do grupo de menor educação.Os dados da pesquisa demonstram que investir em educação aumenta muito a renda futura e, conseqüentemente, a capacidade de gastar. E que quem mais investe são os que estudaram mais e ganham mais.Para o ex-ministro do Planejamento João Paulo dos Reis Velloso, organizador do Fórum Nacional, a solução para romper com esse círculo, que tende a reforçar as desigualdades sociais no País, ''''é melhorar a qualidade do ensino fundamental público e universalizar o ensino médio, de maneira a que os pobres cheguem pelo menos a esse nível''''.De acordo com o economista, o problema está ligado à baixa qualidade do ensino público básico e médio gratuito. ''''Os pobres têm dificuldade de chegar ao curso superior porque não têm a base nem o dinheiro necessário para fazer um bom ensino médio e isso não tem nada a ver com a cor'''', completou o ex-ministro, aproveitando para criticar o sistema de cotas raciais nas universidades brasileiras.MAIORIAAs famílias que contam com um integrante com curso superior ganham R$ 3.817,96, em média, mais que o triplo das famílias que não têm nenhum de seus integrantes com esse nível de estudo, que têm renda média de R$ 1.215,24.Com mais de uma pessoa com nível superior, a média de renda familiar aumenta para R$ 6.004,98, mas estavam nessa situação apenas cerca de 2,9 milhões de famílias, correspondentes a 5,9% do total.As famílias que não têm nenhum de seus integrantes com curso superior são aproximadamente 40,9 milhões e representam 84,3% do total das famílias no País. A parcela destinada à educação nas despesas totais das famílias brasileiras é, em média, de 3,3%, pequena em relação a outras despesas, como a de impostos sobre a propriedade e a renda (4,4%), a habitação (29%), a alimentação (16,9%) e os transportes (15,1%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.