Querosene de aviação já subiu 105% este ano, diz Snea

O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) calcula que o preço do querosene de aviação subiu, de janeiro a setembro deste ano, 105%. Segundo a entidade, foi o triplo do aumento de outros derivados do petróleo no período, como a gasolina (30,5%) e o diesel (30%).O Snea protocolou, na Secretaria de Direito Econômico (SDE), em Brasília, uma representação contra a Petrobras por aumento "abusivo". O reajuste de 16,5% no produto em setembro motivou as companhias aéreas Varig, TAM, Vasp e Gol a aumentar os preços das passagens em 16%, nesta semana.Na representação, o Snea pede que a SDE faça uma análise da planilha de custos do querosene de aviação para constatar se o preço praticado não contraria o disposto na Lei 8884/94, conhecida como lei antitruste. Segundo o sindicato, a SDE não tem prazo para dar uma resposta.As empresas aéreas reclamaram que souberam do aumento com apenas 24 horas de antecedência. Elas exigem pelo menos 30 dias de aviso prévio para "compor um ciclo de repasse" do índice. Segundo o Snea, o combustível representa de 20% a 25% dos custos das companhias aéreas brasileiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.