Questão ambiental não decide investimentos

A responsabilidade ambiental das companhias abertas ainda não é um fator seletivo para o investidor brasileiro na hora de fazer suas aplicações. No entanto, os especialistas acreditam que esse cenário vai mudarno futuro. Nos Estados Unidos e na Europa a questão já é um ponto chave na escolha dos investimentos. Atualmente, o mercado brasileiro observa o assunto somente quando a estratégia operacional ou a estrutura financeira das empresas podem ser afetadas.Prova disso, é uma das grandes estrelas brasileiras no mercado de capitais, a Petrobrás. No ano passado, a companhia foi o agente causador de dois acidentes ecológicos de grandes proporções. Ainda assim, a governo brasileiro realizou com sucesso a pulverização das ações excedentes ao seu controle na Petrobrás, em uma colocação global que arrecadou R$ 7,2 bilhões. Outro caso ocorreu com a siderúrgica Gerdau. Desde o começo do ano, a empresa está envolvida em uma denúncia de poluição feita pelo Greenpeace e, no entanto, as ações acumulam valorização de 24%. Na opinião dos especialistas, isso acontece porque o mercado brasileiro oferece poucas possibilidades de investimento e utilizar mais um fator seletivo traria um complicador adicional. "No Brasil, selecionar uma empresa em razão de suas características ambientais ainda é um luxo", acredita o diretor de análise do Bear Stearns, David Wheeler. O diretor-executivo do Greenpeace no Brasil, Roberto Kishinami, acredita que o País está em uma fase embrionária neste assunto. Tanto que a preocupação da organização ainda é mostrar às empresas que a consciência ambiental não impede a lucratividade.O diretor de análise de investimento do banco de investimentos Merrill Lynch, Marcelo Audi, concorda que o movimento ainda é inexpressivo, mas, ao contrário de muitos, já sente a relevância do tema. Audi acredita que o aspecto ambiental é paralelo ao processo de tomada de decisão e que a preocupação com o assunto é crescente, a tal ponto de alguns clientes começarem a deixar de querer investir no setor de fumo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.