Questões burocráticas paralisam construção de hidrelétricas

O potencial de negócios do mercado de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH) no Brasil cresceu 42% nos últimos cinco meses, mas os projetos ainda estão no papel devido às dificuldades de regulamentação do Programa de Incentivo a Fontes Alternativas (Proinfa). Os dados constam no Mapa das PCH no Brasil, levantamento realizado pelo Centro Nacional de Pequenas Centrais Hidrelétricas (CndPCH).Em dezembro de 2002, o potencial de negócios em PCH no Brasil era de R$ 5,732 bilhões. Em maio deste ano, aumentou para R$ 8,145 bilhões. A quantidade de usinas em fase de outorga (aguardando autorização da Aneel para implementá-lo) e de construção (quando recebe da agência autorização para iniciar obras) subiu de 145 para 207 no período. A quantidade de energia que poderia ser acrescentada ao sistema elétrico brasileiro por meio de PCH atingiu 3.258 megawates, correspondestes a um acréscimo de 362,4% da atual capacidade instalada, de 899 megawates. Apesar de 44 usinas terem autorização para sua construção, por volta de três quartos delas estão com seus canteiros de obras paralisados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.