coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Racionamento não piorou avaliação de consumidores, diz Aneel

O racionamento de energia não influenciou negativamente, na opinião da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a avaliação dos consumidores residenciais sobre os serviços prestados pelas distribuidoras de energia elétrica. O diretor-geral da Aneel, José Mário Abdo, disse, durante o anúncio dos resultados da pesquisa de satisfação dos consumidores em 2001, que a avaliação dos serviços feita no ano passado foi semelhante a um ano sem racionamento. "Os consumidores estão analisando outros itens da cadeia de relação com as distribuidoras", afirmou. Os 17 indicadores de qualidade da pesquisa estão agrupados nos temas: acesso à empresa, confiabilidade dos serviços e atendimento ao público. Das 64 distribuidoras de energia, 22 ficaram abaixo da média de avaliação. Segundo Abdo a fiscalização nessas empresas, prevista somente para o segundo semestre, será feita em no máximo 90 dias. Segundo o diretor da Aneel, Paulo Pedrosa, a avaliação dos consumidores não se refletirá somente nas pesquisas mas na opção de mudança do fornecedor de energia. De acordo com o diretor-geral da Aneel, no ano que vem a Agência começa a definir as regras que determinarão o perfil do consumidor livre de energia, ou seja, aqueles que poderão escolher livremente a distribuidora. O tema racionamento não fez parte de nenhuma pergunta da pesquisa. Os consumidores, no entanto, responderam a um bloco de questões somente sobre a relação entre os benefícios e a tarifa cobrada. O resultado da pesquisa revelou que para os consumidores essa relação está entre os níveis ruim e regular, cerca de 40 pontos em uma escala que vai de zero a cem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.