Paulo Altafim
Paulo Altafim

Raízen fecha parceria com mexicana Femsa para expandir lojas de conveniência no País

Companhia mexicana Femsa e a Raízen Combustíveis, sociedade entre a Shell no Brasil com o grupo Cosan, também vão abrir lojas de proximidade com a marca Oxxo

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2019 | 20h06

A companhia mexicana Femsa e a Raízen Combustíveis, sociedade entre a  Shell no Brasil com o grupo Cosan, anunciaram nesta terça, 6, uma joint venture para expandir seus negócios em lojas de conveniência. A nova companhia, avaliada em R$ 1,122 bilhão, vai acelerar a expansão de lojas de postos de combustíveis e criar uma rede de lojas de proximidade com a marca Oxxo fora dos postos. 

As duas companhias terão 50% desse novo negócio. Ao Estado, Leonardo Pontes, vice-presidente comercial da Raízen, explicou que a parceria entre as duas empresas permitirá a expansão mais rápida do número de lojas com a marca Select – hoje com 1.000 unidades em todo País. “Também vamos abrir lojas de proximidade com a marca Oxxo fora dos postos”, disse o executivo.

Segundo ele, a nova empresa vai competir com grandes varejistas, como Pão de Açúcar e Carrefour, que já possuem lojas de proximidade em todo País. “Esse é um mercado que comporta 20 mil unidades em todo o País. Queremos abocanhar uma parte disso”, disse. No Brasil, a Shell tem cerca de 6,5 postos de combustíveis. 

Pontes reconhece que, com a crise econômica, o consumidor faz a conta no lápis antes de entrar em uma loja de conveniência ou de proximidade. Mas entendo que assim como há atacarejo, que atendem ao consumidor que busca preços mais baixos, há uma parcela da população que também vai em lojas de proximidade. Apostamos no longo prazo e crescimento da economia”, disse.

A rede Shell Select aumentou em 12% o faturamento da rede no último ano, como reflexo de um investimento na ordem de R$ 50 milhões que, entre outras frentes, trouxe a nova geração de lojas. O grupo não divulga o faturamento anual desse modelo de negócios. O faturamento médio  dessas lojas é de cerca de R$ 160 mil por mês, segundo Pontes.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.