Raízen tem planos de novos centros de distribuição no Centro-Oeste

Após inaugurar mais uma base de distribuição de combustíveis em Mato Grosso, a Raízen, joint venture entre Shell e Cosan, se prepara para a construção de novos centros. Em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, o gerente de Novos Negócios e Infraestrutura da área de Logística, Distribuição e Trade da companhia, Luiz Filipe Saraiva, afirmou que alguns projetos estão em fase de aprovação e poderão ser anunciados em breve, mas não deu mais detalhes. "A Raízen continua com seu plano agressivo em termos de distribuição de combustíveis", disse.

JOSÉ ROBERTO GOMES, Estadão Conteúdo

22 de março de 2015 | 17h05

Conforme Saraiva, "Mato Grosso é onde há expansão da fronteira agrícola nacional, onde a área cultivada tem potencial para crescer". "Nos últimos anos, o PIB (Produto Interno Bruto) do Estado tem crescido até duas vezes mais que o do Brasil", comentou, explicando o porquê dos investimentos no local.

Desde 2011, a Raízen aplicou R$ 120 milhões em bases de distribuição no Estado e em ligações, via modal ferroviário, com a Refinaria de Paulínia (SP). Além do centro de Rondonópolis, inaugurado com expectativa de movimentar mais de 1 bilhão de litros de combustíveis por ano, a empresa possui também as unidades de Cuiabá e de Alto Taquari.

"O viés do projeto (de Rondonópolis) é aproximar o Sudeste do Centro-Oeste, que são grandes produtores e consumidores de combustíveis", afirmou Saraiva. "Buscamos ganhos de produtividade e de eficiência, pois o mesmo vagão que sobe com produto desce carregado", explicou.

O centro de distribuição de Rondonópolis irá receber diesel e gasolina provenientes de Paulínia (SP) e devolverá biodiesel e etanol ao mercado de São Paulo via ferrovia. O local da base foi adquirido pela Raízen em 2011, sendo que as obras de construção da unidade começaram em junho de 2013.

Tudo o que sabemos sobre:
Raízendistribuição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.