bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Rating de fundos apresenta queda nas notas ´A´

O Rating AE/Ibmec de fundos de ações apontou que, dos 296 fundos analisados em abril, 49 receberam classificação "A", o equivalente a 16,55%. Destes, apenas cinco foram promovidos de classes inferiores, da nota "B". Em março, haviam sido classificados com "A" 77 fundos de ações, dentre 299 analisados, o que correspondeu a 25,75%.Os fundos foram selecionados entre os que apresentaram patrimônio líquido superior a R$ 1 milhão, em 30 de abril. Segundo a metodologia do professor do Ibmec Educacional, Antônio Zoratto Sanvicente, responsável pela classificação, o rating avalia o desempenho dos fundos em um período móvel de 24 meses, e leva em conta o desempenho dos fundos em relação a seus pares, e não o comportamento isolado de uma carteira. O rating "A", portanto, não garante a excelência do fundo, mas a sua superioridade em relação aos seus pares no mês analisado.O fundo CCF Blue Chip, administrado pela HSBC Brain, foi um dos promovidos para o conceito em abril. A rentabilidade do fundo naquele mês foi de 1,43%, ante perda de 1,36% do Ibovespa médio no período. No ano, até o mês passado, o CCF Blue Chip registrava ganho de 2,85%, ante recuo de 4,16% do Ibovespa médio do período.O CCF Blue Chip adotou como estratégia uma exposição maior no segmento de alimentos e também nos setores de siderurgia e bancos. Já em telecomunicações, o peso das apostas no fundo era inferior à participação na carteira teórica do Ibovespa. O diretor de renda variável da HSBC Brain, Lucio Graccho, disse ter dado preferência à telefonia fixa e de longa distância, em detrimento das operadoras celulares."Nosso underweight (baixa exposição) em telecom contribuiu para o desempenho de abril, assim como o peso maior na carteira de alimentos e siderurgia." Além da estratégia de aumentar o peso em determinados setores e reduzir em telecomunicações, o fundo investe em "blue chips", papéis de maior liquidez e giro da Bolsa. Entre as apostas estão Telemar, com fatia de participação superior a seu peso no Ibovespa, e Petrobrás, com praticamente a mesma parcela.Graccho acredita que o Ibovespa não espelha com precisão os movimentos do mercado acionário brasileiro. Para ele, a concentração do principal índice da bolsa paulista em empresas de telecomunicações acaba distorcendo a percepção sobre os rumos do mercado .Na opinião do diretor, o setor de telecomunicações vem apresentando desempenho desfavorável por influência de perspectivas mundiais negativas para o segmento e dúvidas regulatórias no Brasil, conjuntura que não deve mudar no curto prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.