Raul Seixas, AC/DC, Pavarotti... empresários revelam suas inspirações musicais

De Smile a Tente outra vez, canções fazem parte da rotina de empreendedores

15 de dezembro de 2012 | 11h03

A música está presente nos momentos felizes, tristes e também em situações inspiradoras. Por isso, o Estadão PME perguntou para empresários qual música ou banda ajudou na inspiração dos negócios ou em momentos importantes da vida profissional. As respostas passam por Smile a Tente outra Vez. 

O fundador da rede Chilli Beans, Caito Maia, não elege uma música especial. Para ele, não tem uma canção, mas a música como um todo inspira seu trabalho. "Até os 24 anos, meu sonho era ser músico. Tinha banda. Por isso, a música me inspira o tempo todo. Eu vou visitar as lojas e chamo isso de turnê", afirmou. Para Caito, a música ajudou no conceito da empresa, de tratar as coisas não como um produto simples, mas levando em consideração o lado artístico. Entre suas bandas preferidas estão: New Order, AC/DC e Red Hot Chilli Peppers.

O diretor comercial da empresa de brinquedos Long Jump, Vagner Lefort, citou algumas canções. "Ser empresário é uma missão árdua e prazerosa ao mesmo tempo. Não é possível se comemorar sempre. Então a música de Raul Seixas, 'Tente outra vez', me inspira  a manter o foco e não desanimar nunca", disse. Já as músicas do Michael Jackson, Ben e One Day in my life, estavam no auge quando Lefort começou sua carreira de empresário.

"Desde aquela época acredito que ninguém chega ao sucesso sozinho e essas músicas dizem muito disso", completou. A música Smile de Charles Chaplin inspira a gerente de marketing da Lapinha Spa, Marianne Brepohl. "A letra da música ensina a não deixar teus problemas te abalarem. A sonoridade é linda, e ela consegue trazer a questão de ânimo e perspectiva positiva para uma situação nem sempre favorável", explicou.

Pianista de formação, a sócia-fundadora da Amor aos Pedaços, Ivani Calarezi, recebeu com alegria o convite para fazer um bolo em homenagem ao tenor Luciano Pavarotti, durante sua visita ao Brasil. "Apesar da enorme responsabilidade, encarei o fato com muita emoção. A música sempre fez e faz parte da minha vida, principalmente dos momentos prazerosos. Não poucas vezes chorei ouvindo Caruso na voz de Pavarotti. Para criar o Pavê Pavarotti me inspirei nas lembranças especiais de um dos maiores tenores que já tivemos na música internacional", contou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.