Reajuste da gasolina chega a 10% na bomba

O consumidor precisou de sorte, ontem, para encontrar postos de combustíveis que não reajustaram seus preços. Embora os aumentos tenham se mantido, em média, nos 8% previstos pelo governo, poucos postos mantiveram os preços inalterados.A perspectiva, segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de petróleo (Sincopetro), José Alberto Paiva Gouveia, é que o aumento seja ainda maior nos próximos dias. "O governo não quis dar destaque à notícia mas na semana passada houve aumento de 10% no preço do álcool anidro. Além disso, as distribuidoras foram as primeiras a cobrar mais que o divulgado", afirmou. De acordo com Gouveia, donos de postos informaram que estão pagando 9,8% a mais pela gasolina da BR e 10% pelo produto comprado da Ipiranga. Para Gouveia, houve uma bagunça generalizada nos postos, porque a portaria que determina o valor do reajuste só foi divulgada, pela Internet, na tarde de ontem. "Os postos reajustaram seus preços apenas com base no que tem sido divulgado nos últimos dias", disse Gouveia. "Ainda não é possível arriscar uma previsão sobre o nível do reajuste, mas é bem provável que ele supere os 8% previstos."Postos não colocam novos preços em destaqueA indecisão dos donos de postos em relação ao preço final da gasolina era visível nas faixas e cartazes dos postos - a maioria ainda em branco, embora nas bombas os novos preços figurassem desde a madrugada. No posto Iperoig, na Avenida Sumaré, na zona oeste, um funcionário afirmou que a ordem era esperar um pouco mais antes de colocar os novos preços em destaque na fachada. A gasolina passou de R$ 1,499 para R$ 1,599.No posto Escalada, na Avenida Henrique Schaumann, o reajuste chegou a 10% e foi feito às 14h, após o fechamento de caixa - o que irritou ainda mais os clientes que chegaram bem no momento do reajuste. O gerente do posto, Pedro Henrique, afirmou que estava repassando exatamente o aumento que foi anunciado pela distribuidora, a Esso. Os preços mais baixos eram encontrados em postos fora da região central da cidade - mesmo assim sem as costumeiras faixas anunciando promoção. Na Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, o posto Capri, na Avenida Deputado Emílio Carlos, mantinha, sem muito alarde, o preço a R$ 1,39.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.