Reajuste dos combustíveis deve sair

O ministro de Minas e Energia, Rodolpho Tourinho, disse hoje que o governo deve anunciar esta semana o reajuste dos preços dos derivados de petróleo (gasolina, gás de cozinha e diesel). Tourinho explicou que a decisão técnica de promover o terceiro aumento este ano já foi tomada. As equipes dos Ministérios de Minas e Energia e da Fazenda estão definindo o porcentual a ser concedido e a data que os novos preços entram em vigor.Um documento do Banco Central revelou que o preço do litro da gasolina seria aumentado em 5% na bomba. Por este critério, o reajuste nas refinarias chegaria a 7%. É possível que os novos preços dos derivados tenham índices diferenciados. Ou seja, a gasolina pode receber um porcentual menor do que o gás de cozinha (GLP). Isso ocorrerá porque o governo quer diminuir os subsídios do produto. De acordo com cálculos feitos, na semana passada, pelo diretor do Sindicato Nacional das Distribuidoras de Lubrificantes e Combustíveis (Sindicom) Alísio Vaz o GLP está com o preço defasada em 64%. Vaz avaliou que a gasolina não precisaria de reajuste e o diesel seria reajustado entre 4% e 5%. Estes porcentuais se aplicariam caso o governo queira zerar o déficit da Parcela de Preço Específica (PPE). Este fundo estava em outubro com déficit de R$ 600 milhões líquidos. Se não for concedido aumento, a expectativa da equipe econômica é que este déficit chegue a R$ 1,2 bilhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.