Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Planos de saúde individuais podem ter reajuste recorde este ano, diz federação

Em 2021, valores foram corrigidos em (-8,19%)

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2022 | 13h28

Os planos de saúde individuais devem ter um reajuste recorde nos preços neste ano de 16,3%, segundo projeções feitas pela FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Sumplementar)

Caso o porcentual venha desta forma prevista pela FenaSaúde, nominalmente, o reajuste será recorde. Até agora, o mais alto foi visto em 2016 (13,57%). Vale ressaltar, porém, que, em 2021, os valores foram corrigidos para baixo (-8,19%).

Por meio de nota, a instituição explica que o cálculo leva em conta as seguintes variações: despesas assistenciais com atendimento aos beneficiários, faixa etária e eficiência da operadora, além da inflação. 

“O aumento de itens diversos, como o preço de medicamentos e insumos médicos, a forte retomada dos procedimentos eletivos, o impacto de tratamentos de covid longa e a incorporação de novas coberturas obrigatórias aos planos de saúde, como medicamentos e procedimentos, impactam diretamente no reajuste”, afirmou, em nota ao Estadão, a FenaSaúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.