Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Reajuste salarial de servidores será decidido em agosto, diz Guardia

Segundo o governo, já existe déficit em 2019 de R$ 254,3 bilhões para o cumprimento da regra de ouro fiscal

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2018 | 16h13

WASHINGTON - O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou neste sábado, 21, que o governo estuda adiar o reajuste salarial de servidores públicos do próximo ano para enfrentar o quadro fiscal de 2019, conforme adiantou o Estado, mas ressaltou que a decisão somente será tomada mais à frente. 

+ Reuniões do FMI e G-20 visam coordenar esforços entre países, diz Guardia

"2019 tem desafio (fiscal) e esta é uma alternativa", afirmou Guardia a jornalistas durante eventos do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington, acrescentando que a decisão final somente será tomada em agosto, quando o governo tem de encaminhar ao Congresso o Orçamento do próximo ano.

O governo já informou que há déficit em 2019 de R$ 254,3 bilhões para o cumprimento da regra de ouro fiscal, que impede endividamento para pagar despesas correntes, como salários.

+ FMI diz que está trabalhando para fortalecer contribuição do comércio para as economias

Guardia afirmou ainda que existem outras alternativas para ajudar a equilibrar as contas públicas no próximo ano, como a reoneração da folha de pagamentos, mas que precisará de aprovação do Congresso Nacional.

O ministro da Fazenda defendeu de novo a reforma da Previdência e afirmou que a atual diretriz de política econômica encaminhada pelo governo do presidente Michel Temer dificilmente será desviada pelo novo presidente que surgir das eleições de outubro.

"A realidade vai se impor de maneira tão clara, que eu acho difícil alguém se desviar das reformas que estamos colocando... independente do que se diga em campanha", afirmou ele.

+ ‘Não há pressão política aqui’, diz novo ministro da Fazenda

Guardia disse ainda que, nos encontros com dirigentes de outras economias, foram discutidos diversos pontos, como a abertura comercial como instrumento "muito importante" para aumentar o crescimento potencial dos países e discussões sobre protecionismo.

Ele, no entanto, não quis comentar sobre as ameaças de tarifas comerciais entre os Estados Unidos e a China, que podem desencadear uma guerra comercial global.

Guardia disse ainda que o momento é "bastante positivo" no mundo, com baixo risco no curto prazo, abrindo uma janela de oportunidade para que os países avancem para reforçar os fundamentos de suas economias.

"No médio prazo, pode ter cenário de reversão cíclica", afirmou ele, acrescentando que a principal vulnerabilidade da economia mundial foi o crescimento da dívida pública e privada no últimos anos e que, por isso, existe preocupação com a sustentabilidade da dívida em momento de juros em alta. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.