Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Reajustes de tarifas de energia no RJ viram alvo da Câmara

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) protocolou dois Projetos de Decreto Legislativos para surtar os efeitos das resoluções que concedem reajuste anual à tarifa de energia no estado fluminense

Adriana Fernandes e Guilherme Pimenta, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2022 | 16h40

Os aumentos de tarifas de energia no Rio de Janeiro também estão na mira da Câmara e podem ser suspensos. A deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) protocolou dois Projetos de Decreto Legislativos para surtar os efeitos das resoluções que concedem reajuste anual à tarifa de energia no estado do Rio de Janeiro.

Um PDL é destinado a suspender o aumento da Enel Distribuição do Rio de Janeiro e o outro da Light. Eles poderão ser apensados ao projeto de decreto legislativo que está com tramitação de urgência que suspende o reajuste no Ceará. De acordo com os reajustes aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em média, as contas ficarão entre 12% a 17% mais caras para os fluminenses.

Os aumentos, que já entraram em vigor, são divididos em três faixas distintas: uma para clientes residenciais, uma para consumidores de alta tensão e uma para consumidores de baixa tensão.

Nos dois projetos, a deputada argumenta que o Rio de Janeiro já é a segunda cidade mais cara do País e tem o custo de vida mais caro do que em 74% de cidades na América Latina.

“Não há justificativa para o aumento, ainda mais num país em crise econômica grave, como o Brasil hoje. Somos atualmente uma nação de endividados”, disse ela. Como mostrou o Estadão/Broadcast, a revisão dos reajustes tem apoio do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressista-AL). A estratégia das lideranças da Câmara é pressionar a Aneel a fazer a revisão, diminuindo os valores, ou alongando o reajuste com a transferência para 2023.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.