Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Realidade misturada

Em 1995, o professor Nicholas Negroponte, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, publicou o clássico Vida Digital, cujo conceito central era a diferença entre bits e átomos. O livro mostrava como o fluxo de bits (informações digitais) pelas redes de comunicação modificaria nossas vidas. E Negroponte estava certo. 

Renato Cruz, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2015 | 02h00

Vinte anos depois, no entanto, a distinção entre as realidades física e digital faz menos sentido, com tecnologias como realidades aumentada e virtual, internet das coisas, scanners e impressoras tridimensionais. Bits podem se transformar em átomos e átomos em bits com facilidade crescente. 

Negroponte escreveu sobre como bens intelectuais, como filmes, música e livros, seriam convertidos em bits. Atualmente, já é possível transformar objetos do dia a dia em bits (num scanner 3D) e modificá-lo digitalmente, para depois imprimir uma nova versão.

Na semana passada, conversei com Shane Wall, diretor dos HP Labs, divisão de pesquisa e desenvolvimento da fabricante de computadores. A HP tem promovido o conceito de “realidade misturada” (blended reality), para falar de como os mundos físico e digital se tornaram entrelaçados e interdependentes.

“A tecnologia vai desaparecer”, afirma Wall, no sentido de que todas as coisas começam a ter capacidade de computação e comunicação. Segundo o executivo, a estratégia de pesquisa e desenvolvimento da HP está fundada, atualmente, em cinco pilares: transformação 3D, experiência imersiva, hipermobilidade, internet de todas as coisas e máquinas inteligentes.

De certa forma, são tendências relacionadas entre si, e boa parte da indústria corre atrás delas. A emergência desse novo cenário, de entrelaçamento de bits e átomos, com tudo conectado, acontece num momento difícil da indústria de microcomputadores. No terceiro trimestre deste ano, as vendas mundiais de PCs caíram 7,7%, segundo a consultoria Gartner.

No próximo mês, a HP vai se dividir em duas: HP Inc. (computadores e impressoras) e HP Enterprise (servidores, software e serviços). Quando fala do futuro, Shane Wall se refere à visão da HP Inc. Diante da situação atual do mercado, o desafio é grande.

Duas grandes apostas da HP são a tecnologia Multi Jet Fusion, de impressão 3D, e o computador Sprout, que também funciona como scanner tridimensional. Com a Multi Jet Fusion, a HP adaptou sua tecnologia de impressão em papel à produção de objetos. O lançamento é previsto para 2016. 

Wall promete impressão 3D mais rápida, barata e com mais diversidade de materiais. “Temos controle da impressão ao nível do voxel”, diz o executivo. Enquanto o ponto que forma a imagem bidimensional é o pixel, o que forma objetos tridimensionais é o voxel.

Tudo o que sabemos sobre:
Nicholas NegroponteHP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.