Guadalupe Pardo/Reuters
Guadalupe Pardo/Reuters

Rebaixamento do Brasil teve efeito 'devastador' para empresas, diz Levy

Durante encontro do FMI em Lima, o ministro da Fazenda disse que a aprovação do Orçamento de 2016 deve reduzir as incertezas e o risco de rebaixamento do País por uma segunda agência

Altamiro Silva Junior, enviado especial, O Estado de S. Paulo

11 de outubro de 2015 | 16h57

LIMA - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse neste domingo, 11, que a aprovação do Orçamento de 2016 deve reduzir as incertezas na economia brasileira e o risco de rebaixamento do País por uma segunda agência de classificação de risco. "O downgrade, mesmo que por uma agência, teve um efeito devastador em várias companhias", disse o ministro, se referindo ao corte da nota brasileira para nível especulativo pela Standard & Poor's (S&P) no começo de setembro. 

Ao participar do encontro anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Lima, no Peru, Levy afirmou que aprovação do Orçamento de 2016 será sua prioridade nos próximos dias. "Isso vai ser a prioridade, porque o Orçamento e as escolhas que vão estar ali vão ser o que vai dar segurança para a gente voltar a ter mais crédito e para ter a economia crescendo outra vez", afirmou.

"O que queremos ver é a volta do crescimento o mais rápido possível, com a expansão do crédito, com o apoio às empresas, e eu acho que o Orçamento numa sociedade democrática é como a gente caracteriza essas decisões", disse Levy, destacando que nas várias reuniões que teve com investidores em Lima foi questionando sobre as discussões que tem em Brasília sobre o Orçamento.

"Os investidores queriam entender quais são as perspectivas para o Orçamento de 2016 e eu falava que estamos em discussão. A presidente Dilma Rousseff tem deixado muito claro a importância de nós termos um orçamento que aponte com muita robustez para alcançarmos a meta de 0,7% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano que vem", afirmou Levy.

O ministro ressaltou que esse é o primeiro passo para que o Brasil retome a agenda de crescimento. "Ter orçamento é fundamental para todo o programa de logística, que é muito ambicioso", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
economiaJoaquim Levyorçamento 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.